.

.

24 junho 2011

Retratos da Alma



Leia-me
Assim
Como um pássaro livre
A voar no infinito
Uma rosa branca
A afagar teu peito
Quando ele está aflito...
Leia-me
Assim
Como uma fênix
A ressurgir
Cada vez que ouve
Um grito
Por que a alma reluz
O sonho perfeito
A cada risco...
Desenho retratos da alma
Como um dia de sol bonito..

Sirlei L. Passolongo



21 junho 2011

Tarde


A tarde trabalhava
sem rumor
feliz nas suas nuvens, conjugava
cintilações e frêmitos, rimava
as tênues vibrações
Quando vi o poema organizado nas alturas
a refletir-se aqui
em ritmos, desenhos, estruturas
duma sintaxe que produz
coisas aéreas como o vento e a luz.

Carlos de Oliveira
Porto de Abrigo



18 junho 2011

Nem tudo é dias de sol...


Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta muito, pede-se
-Por isso tomo a infelicidade com a felicidade
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E quando haja rochedos e erva...
O que é preciso é ser-se natural e calmo
Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
Pensar como quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que o poente é belo e é bela a noite que fica...
Assim é e assim seja...


Fernando Pessoa


Imagens da Praia Mole - Florianópolis

15 junho 2011

À BEIRA-MAR


Convém camuflar
nas profundezas da alma
as palavras mais puras.
Fixar o olhar na areia macia
onde, a todo instante,
a espuma branca faz carícias.

Melhor seja que a brisa
– mistura de sal e maresia –
castigue os lábios em sorriso,
carregando pro mar
o mais leve sussurro,
pairando sobre as ondulações
as palavras proibidas.

Sendo assim,...
que só as aves marinhas
decifrem a poesia que existe
quando minhas lembranças,
façam aflorar dos sentidos
os desejos mais além...
mergulhando-as em sonhos,
no abissal das emoções...
como convém!


(André L. Soares & Rita Costa)





09 junho 2011

PORTO


Não me importa teu nome
nem a cor da terra
que trazes sob teus pés
Não me importa em ti
os vestígios de antigos amores,
o cheiro das noites em claro
que ainda exalas teu corpo
Não me importa tua crença,
teus ritos e mitos,
os sonhos que deixastes intactos
às margens dum outro alguém
Não me importam os rios
que saciaram tua sede
ou a suculência das maçãs
que apaziguaram tua fome
Não me importam os caminhos
que a trouxeram até aqui;
quais pedras e flores te conduziram
Saibas que a mim, meu amor,
nada mais importa
a não ser estes,
que hoje somos,
e aqueles, que um dia seremos
Inda sabendo que assim, sempre fomos
o tempo inteiro.

Marcelo Roque



Imagens da Lagoa da Conceição

06 junho 2011

Rumo ao mar...


Vai o barco balançando a destino do mar,
transporta sonhos de um lado para outro,
na onda branca e inquieta que não pára,
a encantar-se com a beleza de suas margens.

Doçura impetuosa das marés a subir no entardecer,
gotas cintilantes desafiando as fortaleza das pedras,
enquanto os barcos crepitam nas ondas azuis,
ida e volta, chegada e partida de pequenos cais.

Segue o barco neste mar entre montanhas,
cortando as ondas que soluçam baixinho,
canção do mar, plena de magia e poesia,
que nesta hora até os pássaros silencia.

Água, sal e vida, hora da despedida,
segue o barco a sua rota, ficamos aqui no cais,
de tantas belezas avistadas fica um quase poema,
vago como a luz que reinventa o azul do mar,
no verde-mar-poema que ficou na margem.

Sônia Schmorantz




Imagem 1: Barra da Lagoa
Imagens 2 e 3: Lagoa da Conceição

03 junho 2011

Poema de fim do verão


Quando eu sair outra vez
a voar em busca de um verão,
vou levar fragmentos dos dias
de risos, de sonhos e de querer.
Haverei de ir mais longe...
como a que buscar
uma lembrança...
ou a suplicar bonança
em forma de calor.

Minhas asas de cera e poesia,
abertas ao despencar do dia,
se recolherão e...
como num abraço de irmão
me protegerão da saudade.

Nas rotas mais improváveis
rasgarei o azul anil,
e de encontro aos ventos
estarei a te guardar ali...
Na linha do horizonte
que divide minha alma
em duas metades
tão desiguais
e tão sem você.

Anderson Julio Lobone


Imagens da Barra da Lagoa, Florianópolis

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.