.

.

24 janeiro 2014

Pássaro solitário


Pássaro solitário,
como é difícil abranger-te !
Nem sei como defender-te,
incomensurável que és.
Num só crepúsculo,
Passeias todas as paisagens,
visitas todas as terras,
e te recolhes triste
À morada que te serve
De cárcere…



Dantas Mota



12 janeiro 2014

Revolução contida...



Guardo dentro do peito
uma revolução contida
Vontade reprimida
de romper o sistema
viver do próprio lema
de só falhar pelo exagero
e viver cada dia
com muito mais emoção.
E guardo aqui no peito
uma coragem infinda
de enfrentar os mais temidos
Pichar ideais em muro
fazer visível o que há de errado
Nesses valores em inversão.
Mas fica tão bem guardado
que quando procuro não acho
e toda minha valentia
se perde em imaginação.

Fernanda Sabrina Siqueira Campos.


05 janeiro 2014

Aprendemos


Depois de algum tempo,
aprende-se a subtil diferença
entre tomar uma mão
e aprisionar uma alma,
e aprende-se
que o amor não significa deitar-se
e uma companhia não significa segurança
e começamos a aprender…
Que os beijos não são contratos
e os presentes não são promessas
e começamos a aceitar as nossas derrotas
de cabeça erguida e de olhos abertos
e aprendemos a construir
os nossos caminhos no hoje,
porque o terreno do amanhã
é demasiado inseguro para planos…
e os futuros ficam-se pela metade.
E depois de algum tempo
aprende-se que se for de mais
até o calorzito do sol queima.
Daí que plantemos o nosso próprio jardim
e decoremos a própria alma,
em vez de esperar que alguém nos traga flores.
E aprendemos que realmente podemos aguentar,
que realmente somos fortes,
que valemos realmente,
e aprendemos, aprendemos…
e com cada dia aprendemos.

Jorge Luís Borges


01 janeiro 2014

Vinde...


Vinde. 
Vamos tocar janeiro,
 vamos por fevereiro e março e abril e maio, 
e tudo que vier; 
durante o ano a gente o esquece, e se esquece; 
é menos mal. 
E às vezes, ao dobrar uma semana ou quinzena, 
às vezes dá uma aragem. 
Dá, sim; dá, e com sombra e água fresca. 
E quem diz é quem já pegou muito no sol nos desertos 
e muito mormaço nas charnecas da existência. 
Coragem, a Terra está rodando; vosso mal terá cura. 
E se não tiver, refleti que 
no fim todos passam e tudo passa; 

o fim é um grande sossego e um imenso perdão.

Rubem Braga



Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.