.

.

28 junho 2014

Noite


Acordamos com a franja da noite
a deixar entrever restos de sonhos.
Imagens incoerentes, tempos vivos
de mortos, absurdas torres, e a fala
mil vezes repetida, alucinada,
em demanda de abrigo, num limiar
de opala.


Na alegria e na tristeza, restos de sonhos
alimentam a poeira da casa, da estrada,
incandescente às vezes, branca, fria,
quando a noite volta e se derrama.


Licínia Quitério.



16 junho 2014

Há coisas...


(...)
Há coisas da gente que a gente sufoca,
No exato gesto de tapar a boca;
Escondemos as mãos e fechamos o riso,
E só nos abrimos se não for preciso.

Prometo a mim próprio andar à altura
Dos ventos e velas por onde me meço.
Sou grande devoto da coisa loucura,
Por ser o que sou         
pecador me confesso.

Saí dos limites do tempo.
Sonhei que não estava acordado.
Cantei contra tudo o que é lento,
Dancei com a esperança ao meu lado.

Dancei que parecia mentira.
Cantei que parecia verdade.
Sonhei o melhor que sabia.
Saí para lá da vontade.
....sonhei.


Fernando Tordo.



Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.