.

.

29 abril 2015

Esta tarde...


Esta tarde sou rico porque tenho
um céu todo de prata para mim,
sou o dono também desta emoção
que é saudade igualmente do passado
e uma doce alegria por tê-lo vivido.
Tudo quanto me deixou me pertence
transformado em tristeza, e o que afinal intuo
que não hei de alcançar converteu-se
num grato caudal de conformismo.
Meu patrimônio aumenta a cada instante
com aquilo que vou perdendo, porque quem vive perde,
e perder significa ter tido.
Não tenho já ambições, mas tenho
um projeto ambicioso como nunca tive:
aprender a viver sem ambição,
em paz por fim comigo e com o mundo.

Vicente Gallego.




15 abril 2015

Valsas de Esquina de Mignone



Só um pássaro
e seu peso de orvalho tocando
o chão como se foram teclas.
Passa onde a graça
ilumina a cidade de ferro
subitamente atenta a essa beleza.

Nos jardins teimam rosas
delicadamente.
Violetas africanas
salpicam de ouro
muros escuros
e as princesas purpúreas
espiam dos balcões verdes
nas paredes florescidas:
dançam pétalas
dança a vida
nos jardins contentes
não termina a partitura
que se repete
sempre.

Dora Ferreira da Silva.


Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.