.

.

31 agosto 2015

Mãos e Pés


Ainda jovem eu pulava 
as pedras do rio, sentia
sua dureza em meus pés,
as nuvens corriam junto
comigo, céu e terra
me esmagavam em seu abraço
e meu corpo latejava
com os dias que ainda existiriam.

Aquelas pedras se inscreveram
profundamente em minha pele,
são as minhas consoantes em dias de espera.
Mergulhava as mãos na água fria
e minhas linhas da mão se desfaziam,
corriam junto com o rio,
quando ainda era jovem.

Hoje meus pés gostam de caminhar
sobre a névoa, a fina película
de irrealidade que cobre a vida,
e minhas mãos tentam apreender
o voo das borboletas.

Roseana Murray.



16 agosto 2015

Há sempre tempo...


Há sempre tempo para um sonho.
É sempre tempo de deixar-se levar pela paixão
e arrastar para o desejo.
É possível sempre encontrar
a força para levantar voo
e dirigir-se para o alto.
E ali, nas alturas, só ali,
podemos soltar as asas
em toda a sua extensão.
Só ali, no mais alto de nós mesmos,
no mais fundo de nossa inquietude,
podemos abrir bem os braços, e voar.

Dulce Chacón.






01 agosto 2015

Um poemeto de Mia Couto


Criança, eu sabia
suspender o tempo,
soterrar abismos
e nomear as estrelas.
Cresci,
perdi pontes,
esqueci sortilégios.


Mia Couto.




Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.