.

.

06 abril 2010

Reticências


E numa dessas vezes
As vozes do às vezes
Quando era uma vez
Deixaram três pontos

Não sabia se os pontos
Mostravam o infinito
Ou findavam três vezes
O seu sonho bonito.

Era um cacho de uva
A raposa de um foro
Era a gota de chuva
Ou o toque de um choro?

E então percebeu
Que o porquê cristalino
Era o humano divino
A preencher seu destino.

Gustavo Nishida
Presidente Prudente / SP



14 comentários:

Glória Müller disse...

O vento que sopra aqui é pura poesia. Como é bom passear na sua ilha!
Beijos, Sônia querida.
Glória

direitinho disse...

Maravilhoso...este às vezes...
Os pontos que não limitam os contos e os sonhos nem às vezes os nossos desejos.
Aqui se junta o humano e o divino.

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Sonia
Reticências sempre deixam dúvidas.
Um abraço

Chica disse...

Maravilha de poesia de Gustavo e tuas fotos!beijos,lindo dia!chica

a magia da noite disse...

talvez da próxima vez seja aquela vez em que tudo o que queríamos se fez.

Dora Regina disse...

Querida Sonia, reticências as vezes valem mais do que mil palavras
Você teve uma ótima escolha, o poema e imagens...Belíssimos!
Um forte abraço!

Fernanda disse...

Olá Sónia!

Os três pontos... que eu tanto uso...quase sempre uso:))

Não limitam os sonhos em nada, pelo contrário ....permitam prolongá-los.

Sempre bom entrar na sua casa, tudo belo.

Beijinhos

C@urosa disse...

Olá minha querida Sonia, pois é, minha vida, às vezes, fica ponteada de reticências...foi muito bom para minha reflexão.

Paz e harmonia,

forte abraço

C@urosa

sam rock disse...

Quédome con cacho de uva para que me dé forzas fronte a lediciosa chuvia que escorrega polo meu corpo, pero tamén escoito o choro para non esquecer o tempo que fuxe.

Unha forte aperta

Helena Castelli disse...

Oi, Sonia!

Vim sentir a brisa... A brisa do mar para mim é sempre agradável e me reconforta.

Deixo-te a ternura de um abraço.
Helena

deusaodoya disse...

Olá minha doce amiga.
me desculpe a ausência, mas estou tendo uns problemas, mas logo logo voltarei a postar minhas poesias.
Como sempre um blog lindo, iluminado e cheio de amor e vida.
Beijinhos doces e uma semana abençoada para vcs.
Sua amiga de sempre Regina.

Rosemildo Sales Furtado disse...

A reticência sempre deixa algo de continuação no ar.

Belo poema, excelente escolha.

Abraços e fique com DEUS.

Karina Aldrighis disse...

...lindo sonho, amei...

Graça Pereira disse...

Eu uso e abuso dos três pontinhos...substituem as palavras que não fui capaz de as dizer!
Beijo e bom fds
Graça

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.