.

.

30 dezembro 2010

Receitas de felicidade


Com a ilha Florianópolis lotada neste final de ano, está com três vezes mais a sua população, temos uma ameaça iminente de apagão já para a virada do ano, por isso estou aqui, mais cedo, para deixar minha mensagem. Andei procurando aqui e ali algumas receitas de felicidade. Talvez tenham efeitos diferentes para cada pessoa, mas vale a pena tentar!

*"Aproveitar o máximo cada minuto, não desistir dos sonhos, confiar em Deus, apreciar as coisas simples da vida, ter amigos de verdade e dar valor a quem nos dá."

*"Esteja sempre rodeado daquilo que você gosta: pode ser família, animais, lembranças, música, plantas, um hobby, o que for. Seu lar é o seu refúgio.

*"Aceite-se como você é, cante, dance, sorria, abrace e leia um bom livro."

*"Assopre os pensamentos tristes, deixe escorrer a última lágrima, conte até vinte e abra a janela, aquela que dá para o vôo dos pardais e procure a luz que pisca lá na frente."

*"Tudo passa, tudo passará. Nada nesta vida é definitivo. Se você tiver um pouco de paciência, o tempo cura todos os males. Você sofreu uma decepção hoje, mas amanhã deverá sentir uma grande alegria."

*"Termine cada dia e largue-o. Você fez o que pôde. Sem dúvida alguns erros e disparates se insinuaram nele; esqueça-os o mais depressa que puder. Amanhã é um novo dia; comece-o bem e serenamente e com o ânimo bastante alto para não se deixar estorvar por suas tolices passadas."

*"O trabalho é como uma grande árvore só dá frutos se cuidada e adubada, para isso temos que ter prazer em nosso local de trabalho. Esqueça as resoluções. Esqueça controle e disciplina, trabalho demais. Ao invés, tente experimentar. Vá em busca de algo para se apaixonar."

*"A vida é a única verdade que existe. Então permita-se ser dominado em todas as suas formas, cores e dimensões. Trata-se tão somente de se entregar, não apresse o rio, deixe que ele o leve até o oceano. Descanse e siga com o rio."

LEMBRE-SE SEMPRE QUE:

A vida não é medida pelo número de vezes que você respirou, mas pelos momentos em que você perdeu o fôlego... de tanto rir... de surpresa... de êxtase... de felicidade!

FELIZ 2011!




28 dezembro 2010

Raízes no Coração


Achei que criar raízes seria só no chão
mas descobri que se criam raízes no coração.
E que de tão frondosa a árvore plantada
não há nada que a faça ir ao chão.
Mesmo que a árvore tenha erva daninha
não tenho mais como a ver derrubada.
Aqui brotou, cresceu e floresceu
e nunca mais se desprendeu.
E o amor que aqui foi plantado 
com flores e frutos desabrochou.
É tão forte e lindo que se enraizou 
e para sempre comigo ficou.
Achei que criar raízes seria só no chão
mas descobri que se criam raízes 
também no coração.

Jorge Luiz Vargas



26 dezembro 2010

Avesso




Pode parecer promessa
mas eu sinto que você é a pessoa
Mais parecida comigo que eu conheço
Só que do lado do avesso
Pode ser que seja engano, bobagem ou ilusão
De ter você na minha
Mas acho que com você eu me esqueço
E em seguida eu aconteço
Por isso eu deixo aqui meu endereço
Se você me procurar eu apareço
Se você me encontrar
Te reconheço...

Alice Ruiz




23 dezembro 2010

Aos amigos, de coração, um Feliz Natal


Antes se arrepender do que se fez um dia por sincero prazer, pondo tudo de lado, 
do que o arrependimento de se ter deixado de fazer, 
por temor.... se o coração pedia. 

Se colheste a emoção com intensa alegria 
e se foste feliz e marcaste o passado, 
bendiz esse segundo ou essa hora, 
esse dia em que o mundo foi teu, 
vencido e conquistado... 

A vida é uma aventura e é preciso vivê-la! 
Nada há que justifique uma abstinência ao mundo, 
- ergue a mão para o céu e colhe a tua estrela! 

É a hora do Natal... A estrela é o teu presente! 
Mesmo que ela cintile apenas um segundo, 
contigo hás de levá-la indefinidamente.

JG de Araújo Jorge


Aos amigos,companheiros desta jornada
meu imenso abraço.
Na impossibilidade de visitar um a um como gostaria,
venho aqui deixar uma mensagem de carinho,
para que este Natal seja especial e muito feliz para cada um de vocês, que apesar de minhas ausências, se fazem sempre presentes, tornando muito especial este espaço.


Ouvi sinos de Natal tocando, de verdade,
E canções natalinas soando por toda a cidade,
E, doces e bravas,
Repetirem-se as palavras
"Paz na terra aos homens de boa vontade"

Henry Wadsworth Longfellow

21 dezembro 2010

Poesia da Vida



Vida é chuva, é sol
Uma fila, um olá
Um retrato, um farol
Que será que será

Vida é um filho que cresce
Uma estrada, um caminho
É um pouco de tudo
É um beijo, um carinho

É um sino tocando, uma Fêmea no cio
É alguém se chegando
É o que ninguém viu
É discurso, é promessa
É um mar, é um rio

Vida é a revolução, é deixar como está
É uma velha canção, Deus nos deu, Deus dará
Vida é a solidão, é a turma do bar
É partir sem razão, é voltar por voltar

Vida é palco é platéia, é cadeira vazia
É rotina, odisséia, é sair de uma fria
É um sonho tão bom, é a briga no altar

Vida!!! É um grito de gol
É um banho de mar 
É inverno e verão
Vida!!! É mentira, é verdade
E quem sabe a vida é da vida razão.

La Salle
Composição: Calique/garay



19 dezembro 2010

Um Dom


Deus disse:
 Vou ajeitar a você um dom:
Vou pertencer você para uma árvore.
E pertenceu-me.
Escuto o perfume dos rios.
Sei que a voz das águas tem sotaque azul.
Sei botar cílio nos silêncios.
Para encontrar o azul eu uso pássaros.
Só não desejo cair em sensatez.
Não quero a boa razão das coisas.
Quero o feitiço das palavras.

Manoel de Barros 





17 dezembro 2010

O que o vento não levou


No fim tu hás de ver 
que as coisas mais 
leves são as únicas que o vento não 
conseguiu levar: 
um estribilho antigo, 
um carinho no momento preciso ,
o folhear de um livro de poemas ,
o cheiro que tinha um dia 
o próprio vento...



Mário Quintana



12 dezembro 2010

Poema de (quase) Natal


Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.


Vinicius de Moraes



10 dezembro 2010

Carlos Drummond de Andrade in Poemas de dezembro


Fazer da areia, terra e água uma canção
Depois, moldar de vento a flauta
que há de espalhar esta canção
Por fim tecer de amor lábios e dedos
que a flauta animarão
E a flauta, sem nada mais que puro som
envolverá o sonho da canção
por todo o sempre, neste mundo

Carlos Drummond de Andrade
(Dezembro de 1981)

Procuro uma alegria
uma mala vazia
do final de ano
e eis que tenho na mão
- flor do cotidiano -
é vôo de um pássaro
é uma canção.
Carlos Drummond de Andrade
(Dezembro de 1968)


05 dezembro 2010

Poesias Eternas


Este meu livro é todo teu, repara
que ele traduz em sua humilde glória
verso por verso, a estranha trajetória
desta nossa afeição ciumenta e rara!


Beijos! Saudades! Sonhos! Nem notara
tanta coisa afinal na nossa história...
E este verso – é a feliz dedicatória...
onde a minha alma inteira se declara...


Abre este livro... E encontrarás então
teu coração, de amor, rindo e cantando,
cantando e rindo com o meu coração...


E se o leres mais alto, quando a sós,
é como se estivesses me escutando
falar de amor com a tua própria voz!


JG DE ARAÚJO JORGE



02 dezembro 2010

Breve instante


Sussurra o vento nas folhas....
Eis-me aqui em irreversível instante!
Eis-me aqui numa espera instigante!

Caem sobre mim, folhas dos teus versos,
Nos dias de sol ou nos dias que se vão sem ele.
Eu desejo o sonho mais puro,
Mantendo-me viva nele.

Brotam em ti as gotas do orvalho noturno.
Brotam em mim literárias falas.
Nos teus olhos, então me descubro,
Na verdade, onde tu calas.

Eritânia Brunoro



28 novembro 2010

Deixa-me amar-te


Deixa-me amar-te em meus silêncios
Na calmaria do teu coração que me acolhe
E de onde se desprendem meus sonhos
Em vôos etéreos de plena liberdade

Deixa-me amar-te em minha solidão
Ainda que meus labirintos te confundam
E que teus fios generosos de compreensão
Emaranhem-se no tapete dos meus enigmas

Deixa-me amar-te sem qualquer explicação
Na ternura das tuas mãos que me sorriem
Escrevendo desejos em versos despidos
Na minha alva tez que te cobre e descobre

Deixa-me amar-te em meus segredos
Para que desvendes o que também desconheço
A alma dos meus abismos onde anoiteço
E meus olhos adormecem embalados pelo mistério

Deixa-me amar-te em tuas demoras, longas horas
Em que meu corpo se veste de céu à tua espera
E minhas mãos em frenesi acendem estrelas
Para alumiar-te, ainda que ausente estejas…

Fernanda Guimarães


Imagens da Praia do Estaleiro

23 novembro 2010

Ergo uma Rosa


Ergo uma rosa, e tudo se ilumina
Como a lua não faz nem o sol pode:
Cobra de luz ardente e enroscada
Ou ventos de cabelos que sacode.

Ergo uma rosa, e grito a quantas aves
O céu pontua de ninhos e de cantos,
Bato no chão a ordem que decide
A união dos demos e dos santos.

Ergo uma rosa, um corpo e um destino
Contra o frio da noite que se atreve,
E da seiva da rosa e do meu sangue
Construo perenidade em vida breve

Ergo uma rosa, e deixo, e abandono
Quanto me dói de mágoas e assombros
Ergo uma rosa, sim, e ouço a vida
Neste cantar das aves nos meus ombros.

(José Saramago)



21 novembro 2010

Estava escrito


Estava escrito
que chegarias na voz do vento
como um doce lamento
em busca de sons e de luz...

Trarias nas madrugadas dispersas
o inevitável sentido
nos grãos silábicos do tempo
que teu poema traduz...

Serias a saudade sem sombras,
a madrugada esvaída
o cheiro azul de um remanso
onde a esperança descansa.

Conceição Bentes
Publicado no Recanto das Letras em 21/10/10
Código do Texto: T2570854



Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.