.

.

18 junho 2011

Nem tudo é dias de sol...


Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta muito, pede-se
-Por isso tomo a infelicidade com a felicidade
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E quando haja rochedos e erva...
O que é preciso é ser-se natural e calmo
Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
Pensar como quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que o poente é belo e é bela a noite que fica...
Assim é e assim seja...


Fernando Pessoa


Imagens da Praia Mole - Florianópolis

4 comentários:

Adolfo Payés disse...

Es maravilloso. gracias amiga por compartirlo..

Pido perdón por mis ausencia de tu espacio..

¨La vida tiene su razón de ser
Lo deletéreo a cada momento
De cuando acaricie tus latidos
En el vientre de tu sueños
De tus brazos
Calcando la memoria de tus meses¨

Adolfo Payés


Un abrazo
Saludos fraternos..

Que el fin de semana sea de los mejores...

Martini Bianco disse...

Um poema de Fernando Pessoa junto com estas imagens lindíssimas de Florianópolis e ao som desta musica de Ernesto Cortazar é a ode perfeita para um repouso tranquilo.

Obrigada pela partilha, seu cantinho na blogosfera é muito especial!

Graça Pereira disse...

Volto sempre...porque gosto deste espaço e da dona deste blog que me cativou desde o início!
Beijo
Graça

Carlos Leite disse...

O seu blog é fantástico! Ainda não consegui formar uma opinião completa sobre si... Ainda não li tudo, mas do que li, está óptimo!!! Muitos parabéns e, obrigado por partilhar connosco a sua arte!
Adoro Fernando Pessoa e, este poema também é fantástico!
Carlos Leite, http://opintordesonhos.blogspot.com

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.