.

.

15 junho 2012

Um Olhar


Se um dia passares pela nascente de um rio
visita a minha sombra úmida,
indiferente à inquietação das árvores
carregadas da memória do vento.
Pára e inclina sobre ela um olhar tão cúmplice
como quem, com lentíssimas mãos,
pressente o apelo dos lábios.

Graça Pires
De Conjugar afetos, 1997




5 comentários:

Agulheta disse...

Olá Sónia.Já algum tempo que por aqui não vinha,motivos de algum desconforto com os olhos.Adorei a poesia de Graça Pires,e toda a beleza das fotos logo que abro o blog,obrigada por partilhar as belezas do país irmão.
Beijos e bfs

Sonhadora disse...

Minha querida

saudades de passar aqui...um lindo poema como sempre, uma boa escolha, adoro Graça Pires.


Um beijinho com carinho
Sonhadora

Sotnas disse...

Olá Sônia, desejo que tudo esteja bem contigo!

Belas e sábias escolhas encontro por cá sempre, e cada vez mais renova a certeza que tenho do teu ótimo gosto, pelas escolhas que faz e posta. Parabéns pelas imagens também, tudo aqui é deveras digno de cá estar!

Problemas me fizeram demorar de vir por cá, assim esperando solucionar tão logo deixo meu desejo que você e todos tenham um intenso e feliz viver, abraços e até mais!

Pedra do Sertão disse...

Olá, Sônia,

Fazia tempo que eu não vinha por aqui...pelo visto, assim como muita gente!

Mas adoro ver suas poesias-imagens!

Abraço do Pedra

Roque Soto disse...

Há no seu olhar
Algo que me ilude
Como o cintilar
Da bola de gude
Parece conter
As nuvens do céu
As ondas brancas do mar
Astro em miniatura
Micro-estrutura estelar
Há no seu olhar
Algo surpreendente
Como o viajar
Da estrela cadente
Sempre faz tremer
Sempre faz pensar
Nos abismos da ilusão
Quando, como e onde
Vai parar meu coração?
Há no seu olhar
Algo de saudade
De um tempo ou lugar
Na eternidade
Eu quisera ter
Tantos anos-luz
Quantos fosse precisar
Pra cruzar o túnel
Do tempo do seu olhar


Un abrazo y buen fin de semana

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.