.

.

02 dezembro 2012

Não me deixem tranquilo ...



Não me deixem tranquilo
não me guardem sossego
eu quero a ânsia da onda
o eterno rebentar da espuma

As horas são-me escassas:
dai-me o tempo
ainda que o não mereça
que eu quero
ter outra vez
idades que nunca tive
para ser sempre
eu e a vida
nesta dança desencontrada
como se de corpos
tivéssemos trocado
para morrer vivendo...

Mia Couto



4 comentários:

✿ chica disse...

Lindo sempre aqui!!beijos,ótima semana!chica

Sotnas disse...

Olá Sônia, que tudo esteja bem contigo!

Lindo poema, e o vídeo também. O que reforça a sensibilidade que habita em ti, além do bom gosto, parabéns pelas escolhas e imagens por cá postadas!

Grato por tuas visitas e amizade eu desejo que teu viver seja sempre de intensa felicidade, abraços e até mais!

Malu disse...

às vezes um pouco de inquietude e desassossego se faz necessário...
Abraços!!!!

Agulheta disse...

Gosto muito de Mia Couto,a inquietude das ondas e o mar,para os surfistas é um desassossego,tenho um neto ainda pequeno que faz surf e quando não vai ao mar ninguém o segura.
Beijinho

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.