.

.

26 agosto 2016

As coisas mais simples


As coisas mais simples, ouço-as no intervalo do vento
Quando um simples bater da chuva nos vidros
Rompe o silêncio da noite e o seu ritmo se sobrepõe 
Ao das palavras. 
Por vezes, é uma voz cansada que repete 
Incansavelmente o que a noite ensina a quem vive.
De outras vezes, corre, apressada, 
Atropelando sentidos 
E frases como se quisese chegar ao fim,
Mais depressa do que a madrugada.
São coisas simples como a areia que se apanha, 
E escorre por entre os dedos enquanto 
Os olhos procuram 
Uma linha nítida no horizonte
Ou são as coisas que subitamente lembramos,
Quando o sol emerge num breve rasgão de nuvem.
Estas são as coisas que passam quanto o vento fica
E são elas que tentamos lembrar, como 
se as tivéssemos ouvido , 
E o ruído da chuva nos vidros
Não tivesse apagado a sua voz.

Nuno Júdice.





3 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Que bonito!! Adorei. Fotos maravilhosas.

Beijo, bom Domingo.
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Princesa do Mar disse...

A D O R O Nuno Júdice. A sua poesia é simplesmente maravilhosa!!!

Beijinho e obrigada por este momento tão belo!

Roselia Bezerra disse...

Bom dia, querida Sonia!
Tão bom sermos perceptíveis às pequenas coisas e aos pequenos gestos! Nem todos o somos...
Bjm muito fraternal

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.