.

.

11 dezembro 2008


As primeiras luzes de natal invadem ruas e casas,
Somos convidados a abrir nosso espaço interior,
A abrir os arquivos do nosso coração criança...
Percebo então a importância das pessoas que
Estão ao meu lado, nesta ou em outra dimensão,
A falta que fazem, os espaços vazios que deixaram.
Impossível não deixar cair algumas lágrimas,
Quando no breu da noite cintilam as pequenas luzes
E a gente vê nelas todas as histórias de outros natais....
Nossos pais, que de velhinhos partem,
Nossos filhos, que moços também querem partir,
Nossos amigos que a vida se encarrega de distanciar,
Os amores que acabam e recomeçam sem que haja porquês,
Cada qual no seu tempo....
Há natal no sorriso das pessoas que andam apressadas
Com suas sacolas e seus presentes...
Há natal nas ruas enfeitadas, em cada casa iluminada,
Há natal nas luzes e estrelas do céu...
Mas dentro de casa não é preciso mais limpar a chaminé,
Já não há mais tantos pacotes e burburinhos...
E a árvore de natal vai ficando menor,
Pela ausência deles....

Sônia

3 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
natal,
natavidade,
todos os dias,
no nascer de uma criança,
,
conchinhas natalicias,
te envio,
,
*

UMA PAGINA DE AMOR disse...

Natal é uma época que nos faz pensar em tudo, nas pessoas que se foram, nos filhos, amigos e amores, mas sempre pense que nunca estará sozinha, que tem pessoas que estão sempre a seu lado, pessoas que te amam e precisão de seu amor e carinho.
Beijos

Olhar o mar disse...

Gostei imenso deste seu poema de Natal. Parabéns.
Obrigado por me dar essa possibilidade de desfrutá-lo.

Se me permite vou guardá-lo no meu recanto.

um abraço enorme e as maiores felicidades de uma boa época natalicia.

olharomar

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.