.

.

20 dezembro 2008

ESPERA


Espera aquele que se abraça, como se fossem dois.
São frágeis e fortes, são duplos, mas são um...
Espera o que ouve o coração encantado,
Apesar de ser um, tem movimento e dança...
Espera o que sente o vento a formar piruetas
De lembranças no ar...
Quem espera não tem pressa, faz parte da paisagem...
Quem espera rebusca saudade, aconchegado em silêncio.
Tem saudades de coisas que nem sequer conhece... Mas
Quem espera nunca está só,
Há sempre um silêncio de aceitação,
Como aceita o amor que resiste ao tempo, pois
Quem espera nunca está só,
faz parte da solidão de quem passa.

Sônia
(inspirado em poema de Walden Carvalho)

5 comentários:

Rosani Nauar disse...

Olá! Amiga Querida

Seu espaço é mágia, é luz, paz e amor!! Assim q me sinto sempre quando venho aqui. Quero lhe dizer que um dos meus presentes que Deus me deu foi sua amizade...e carinho, quero te desejar natal cheio de esperança, e ano novo muita saúde, paz, e realizações.


beijos, de sua amiga q lhe adora muito

Aníbal Raposo disse...

Lindo poema Sônia.
Um Santo Natal para si e para todos os seus.

manzas disse...

Para vós amigos… de reflexão,
uma natividade de prosperarão
e um ano novo também,
de rostos risonhos,
com realizações de vossos sonhos…
Num vislumbrar de um novo mundo
poetizar a paz e harmonia
cantando todos de mãos dadas
na sintonia da alegria.

Um Bom Natal.

João da Silva disse...

Simplesmente adorei...
Esperar, esperar. Se você soubesse como isto me tocou!
Beijos carinhosos, com aroma de rosas, do João

JAMES PIZARRO disse...

Meus parabéns pela sensibilidade . Teu blog é lindo. E obrigado por ler meu blog tb, o que muito me desvanece e deixa feliz.
Beijo

James Pizarro

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.