.

.

21 janeiro 2009

Modinha


Tuas palavras antigas
Deixei-as todas, deixei-as,
Junto com as minhas cantigas,
Desenhadas nas areias.
Tantos sóis e tantas luas
Brilharam sobre essas linhas,
Das cantigas — que eram tuas —
Das palavras — que eram minhas!
O mar, de língua sonora,
Sabe o presente e o passado.
Canta o que é meu, vai-se embora:
Que o resto é pouco e apagado.

Cecilia Meireles
Poetisa brasileira

5 comentários:

tossan disse...

Cecilia Meireles e você merecem todos elogios do mundo por amarem as palavras. Bj

Diogo Caceres disse...

Boa noite amiga... seja ela rica de sonhos e poesia que enriquece e acalanta a alma...
Cecilia Meireles é uma boa pedida... que as palavras que brotem do coração sejam sempre sinceras e justas c/ o que sonhamos!!
Ótima noite, abraço!!!

(Carlos Soares) disse...

Que poema bonito da Cecília Meireles,hein? Aliás todos. Seu glog é um charme só. Um grande abraço

Isa disse...

Sabe,Sonia,conheci Cecília Meireles
através de Amigos brasileiro.Gostei logo.
Foi bom lê-la aqui nete "cantinho"
tão bonito.
Beijo.
isa.

Cris Rubi disse...

Lindo, lindo, lindo!!
Amiga, vim desejar-te um otmimo final de semana.
beijinhus carinhosos

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.