.

.

25 janeiro 2009


Não sei mais onde ficou impressa
a minha forma,
nas areias da praia,
porque o vento da noite
ocultou nosso segredo.
Sei apenas
que ficou em mim
aquela paz enluarada
que havia sobre tua cabeça
quando abri os olhos.

Augusta Campos

7 comentários:

Diogo Caceres disse...

Oi Sonia, boa noite!!
Valeu pelo carinho da visita... muito bom sempre vir aqui e ter a mente e o coração refrescado no vento dos sentimentos que deposita aq!!!
Que sua noite seja enluarada... aquela doce luz prateada da paz, que permita lindos sonhos... grande abraço!!!

Celamar Maione disse...

Sonia,
Linda foto !
Ótimo ter uma paz enluarada dentro da gente.
A música de fundo é maravilhosa. Nos dá muito serenidade.
Uma semana de luz dentro do seu coração.
Beijos

Frederico Salvo disse...

Bom começar a semana sob a luz desse luar.
Abraço!

Celamar Maione disse...

Sonia,
Voltei.
Tem um presentinho no meu blog pra você pelo seu romantismo.
Beijão

...AMORE... disse...

querida...obrigada por tao lindoa textos...
Deus te abençoe ricamente e que vce tenha sempre ótimos motivos para escrever e para sorrir...

um grande beijo!

Daniel Costa disse...

Sonia

Com alguma sensibidade, que julgo possuir, toda a poesia, que aqui postas é deveras interessante, este "petit" poema de Auguto Campos.
A tua amabalidade, também me encanta. Gosto de pesamentos de gandes vultos, como Wiliim Shakespeare, com me presenteaste.
Bj
Daniel

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Chega o vento assobiando
fazendo riscos imaginários
como ondas no céu soprando sobre folhas ,
flores, vidas chega a brisa manhã
canta suaves carinhos
envolve numa doce,
fresca brincadeira
lembranças num rastro
manso luz vento , brisa,
vida tocam rios janelas
todas as casas calçadas
soprando sorrisos
lembrando todos os caminhos
colorindo como se fosse carrossel
verdadeiros roda moinhos
deixando correr a vida
como fosse melodia...
(Maria Thereza Neves)

Tenha uma linda semana
Abraços
Beijos te amo

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.