.

.

14 fevereiro 2009


Há certas almas como as borboletas
cuja fragilidade de asas não
resiste ao mais leve contato,
que deixam ficar pedaços pelos dedos que as tocam.
Em seu vôo de ideal, deslumbram olhos,
atraem a vista:
perseguem-nas, alcançam-nas,
detém-nas, mas quase sempre,
por saciedade, ou piedade,
libertam-nas outras vezes.
Elas, porém, não voam como dantes,
ficam vazias de si mesmas cheias de desalento...
Almas e borboletas,
não fosse a tentaçao das cousas rasas
o amor do néctar -o néctar do amor,
e pairaríamos nos cimos
seduzindo do alto admirando de longe!...

Gilka Machado
Imagem da internet

18 comentários:

LaLa! disse...

Nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar a si mesmo...

BOA SEMANA

bjos

neide disse...

Minha linda, passando para lhe desejar um ótimo domingo.

Bjss

Pelos caminhos da vida. disse...

Otimo domingo amiga.

beijooo.

secreto segredo disse...

Um poema interessante.


secreto

david santos disse...

Lindo!!!
Algum dia, quem sabe, nós não saibamos perdoar-nos a nós mesmos?
Parabéns.

David Santos

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA SONIA... LINDO O QUE ACABEI DE LER... UMA BOA SEMANA... BEIJINHOS DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Baby disse...

Linda Sonia, obrigada pelas palavras lindas e leves como asas de borboleta, também elas deixam ficar pedaços da tua alma nas pessoas a quem as diriges...

Obrigada por este poema lindo.

Um beijo amigo.

O Profeta disse...

Construí um abrigo no deserto da emoção
Os vales são as ruas de um Deus
Fecha-se a alegria da terra
Um último olhar de amor, solto dos olhos teus

Na noite tudo se perde
Mora a sombra, o desvario
A indomável vontade do amor
Tem a força de um Rio


Bom domingo


Mágico beijo

Mar Arável disse...

As borboletas não gostam da noite

que pena

Emanuel Azevedo disse...

Um belíssimo registo. Os meus parabéns! Um forte abraço do meio do Atlântico e boas fotografias.

Olhar o mar disse...

Como sempre plena de bom gosto e nos presenteando com poemas frágeis e sensíveis... alma de poeta

Deste outro lado do oceano uma onda imensa de amizade lhes envio

olharomar

JIME disse...

A vida é mais ou menos assim...
Belo poema.
Abraços.

poetaeusou . . . disse...

*
borboletas trazidas
por um vento da ilha,
travestidas de almas
irmanadas de amor,
,
conchinhas de luz,
deixo,
,
*

anny-linhaozzy disse...

Sonia:
Amo borboletas.
Amei seu poema.


Anny,
Até mais!

Efigênia Coutinho disse...

Olá Sonia, como foi bom ler seus versos acima "Há certas almas como as borboletas". Onde você diz uma grande verdade, tem pessoas que são borboletas, que bailam pelo ar, entre flores , onde eu sou uma grande admiradora dessas bailarinas borboletas. Parabéns.
Eu estou com um novo espaço, e apreciaria sua visita e acompanhamento, com admiração, deixo o Link,Efigênia

http://efigeniacoutinhopoesias.blogspot.com/

Rolando disse...

É verdade, há certas almas como as borboletas...

Mas também há almas como girassóis e pirilampos.
Intangíveis, longinquas, etéreas.
Tocar-lhes é roubar-lhes a alma...

Frederico Salvo disse...

Bom como sempre, Sônia.
Obrigado!

Sônia Brandão disse...

Muito bonito!

Tenha uma ótima semana.
Beijo.

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.