.

.

10 fevereiro 2009


O que tu viste amargo,
Doloroso,
Difícil,
O que tu viste breve,
O que tu viste inútil
Foi o que viram os teus olhos humanos,
Esquecidos...
enganados...
No momento da tua renúncia
Estende sobre a vida
Os teus olhos
E tu verás o que vias:
Mas tu verás melhor...

(Cecília Meireles)
Imagem: Praia Mole de Eduardo Poisl

17 comentários:

Sal Troccoli disse...

Eu li a sua poesia, eu encontrei-o dançando com o ritmo da sua alma, e sencible bonita.

Meus parabéns a você e abraços a todos.

Daniel Costa disse...

Sonia

Cecília Meireles é impagável. Realmente, a formas das coisas são o que os nossos olhos vêm.

Daniel

sonhos sonhados disse...

SÓNIA

...entrei pela primeira vez neste espaço tão doce.

...adorei a imagem
e
as palavras escolhidas para a acompanharem.

obrigada
jinhux létinha

Isa disse...

Cecília sempre bem vinda!Texto lindo,que acompanhaste com uma imagem q. tb.fala...
Beijoo.
isa.

Branca disse...

A ternura, a compaixão, o amor, abranda o nosso olhar...

bjo carinhoso pra vc Sonia!

Sal Troccoli disse...

Sitting on the sidewalk,
I see both sides
this street. I do not believe almost anything.
Let the time run by my
footsteps, because I know that surprises
take me to your presence.
If it is, I have hands
on knees, saving energy
to express when I see you, and
to go to them
when you arrive.
Today, finally, take your hand.
I raise you, and
I love you. "
Posted by Poet at Bela *
é

uma bela escrita, deixe-me apresentar-lhe meus parabéns e um abraço de longe para trabalhar com os meus aplausos tão bonitinho.

http://poetadelpueblo.blogspot.com/

_Ly Marte_ disse...

Bom dia amiga Sonia
Vim propor um desafio
veja no meu blog
basta seguir os passos que la diz.
beijinho

Eu disse...

Cecília Meireles é tudo de bom, né? Também recorro à ela.
Os olhos muitas vezes só enchergam o que que o coração se recusa a ver...
Beijo grande!

Pico minha ilha disse...

E eu vi Cecilia e a sua poesia.Beijinho

Paulo Tamburro disse...

LI UM COMENTÁRIO SEU NO BLOG DA TATIANA SOBRE O SER ESPECIAL.

NO SEU COMENTÁRIO VOCÊ DIZ QUE EXISTEM PESSOAS QUE MARCAM, OUTRAS NÃO. ESTA PALAVRA "MARCA" LEMBROU-ME DE LHE ENVIAR UMA ESTROFE DE UMA MÚSICA ANTIGA DOS GRANDES FESTIVAIS,DISPARADA, ONDE DIZ:

Então não pude seguir
Valente em lugar tenente
E dono de gado e gente
Porque gado a gente marca
Tange, ferra, engorda e mata
Mas com gente é diferente...

ERA ISSO, PORQUE GADO A GENTE MARCA...MAS COM GENTE É DIFERENTE!

UM GRANDE ABRAÇO!

mundo azul disse...

_____________________________

Grande Cecilia!

Sim, quando aprendermos a olhar com os olhos do coração, então veremos realmente!

Beijos de luz e o meu carinho...

__________________________________

Maripa disse...

Sónia querida,como é bom ler CECÍLIA e partilhar o que ela nos deixou. Bem-haja!

Ver "o caminho" com os olhos da alma dá uotra dimensão à vida.

Beijo carinhoso.

Papoila disse...

Querida Sonia:
Uma belíssimoa imagem para Cecilia e os olhos da alma...
Beijos

Celamar Maione disse...

Sônia....
Bela poesia e bela visão a de Cecilia Meireles...
Nossa visão por vezes é tão estreita que não enxergamos as " mensagens " das entrelinhas...
Amei a foto também..
Temos um longo caminho a percorrer.
Grande beijo

Cleo disse...

Muito lindo este poema de Cecília, olhar com os olhos da alma, aí sim veremos realmente.
Beijos carinhosos.
Cleo

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Sonia, poema espectacular...
Beijos

Delírios das Borboletas disse...

ola seu blog ganhou um selo pela sua qualidade va buscar seu premio no meu blog.

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.