.

.

25 abril 2009

Não sei dizer


Não sei dizer este azul que encaminha os céus...
Sei respirá-lo intenso na vibração densa, descompassada
dos olhos que se entornam nele...
Não sei morrer noutra cor.
Antes esta tonalidade
assim-breve, assim-escorregadia
desintegrando a noite
reinventando o dia.
E eu...
eu não sei escrever este azul
que dá luz á manhã...
Há no silêncio do ar
uma paz autorizada...
um murmúrio lírico
no renascimento
de cada momento.
O pássaro brinca entre uma nota de assobio
e um sopro de vento.
A borboleta adormece — encantada.
Para haver paz
há que caminhar silêncios.
Quero o aconchego da sombra da árvore.
A sua frescura
A sua candura.
Quero o seu caule sólido
A maciez da sua seiva
A dureza da sua raiz.
Quero a paz das suas folhas deitadas,
deleitadas
adormecendo — na paz do tempo.

Ndalu De Almeida ( Ondjaki ) – Angola
Imagem: Ingleses

12 comentários:

Kєтy Sαятo disse...

Oi Sôniia *-*
gosteei demais do seu blog ; as postagens TUDO !*
adicionei em minha lista seu blog
Beijo =**

earthquake of words disse...

Gostei do blog, vou adiciona-lo e acompanha-lo sempre que possivel.

Vito Coppola disse...

Bellissima l'atmosfera e la composizione...mi piace molto questa foto...complimenti!
Vito

Paula Raposo disse...

Este poema de Ondjaki é lindo, lindo! Obrigada pela partilha. Muitos beijos.

Frederico Salvo disse...

Um privilégio iniciar o domingo com um poema como esse.
Um beijo e ótima semana pra você.
Beijo.
Frederico.

(Carlos Soares) disse...

O azul é minha cor favorita. Gosto de deitar numa pedra e ficar horas olhando pro céu.bjss

(Carlos Soares) disse...

O azul é minha cor favorita. Gosto de deitar numa pedra e ficar horas olhando pro céu.bjss

Ernani Netto disse...

Posso até sentir a natureza me envolvendo ao ler tão lindas linhas!

Bjaum

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA SONIA, SUBLIME POEMA... ABRAÇOS DE AMIZADE,
FERNANDINHA

Cris Animal disse...

Lindo poema e foto!
Demais.....
E o azul que nos faz viajar e sonhar. As cores fazem isso, mas algumas como o azul e o branco são realmente convidatitav.

Super beijo rpa vc
..............Cris Animal

Sidney Ramos disse...

Sua passagem tem pressa, um vento não mensura, o tempo não engessa, um minuto, quem sabe? É muito... já me completa.

Maria Clarinda disse...

Ondjaki, é sem sombra de duvida o meu escritor Angolano preferido.
Este poema é maravilhoso.
Jinhos

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.