.

.

19 abril 2009

NINGUÉM MEU AMOR


Ninguém meu amor
ninguém como nós conhece o sol
Podem utilizá-lo nos espelhos
apagar com ele
os barcos de papel dos nossos lagos
podem obrigá-lo a parar
à entrada das casas mais baixas
podem ainda fazer
com que a noite gravite
hoje do mesmo lado
Mas ninguém meu amor
ninguém como nós conhece o sol
Até que o sol degole
o horizonte em que um a um
nos deitam
vendando-nos os olhos...

Sebastião Alba –Moçambique

5 comentários:

Isa disse...

Ñ conhecia este Poeta moçambicano.
Obrigada pela partilha.
Semana feliz.
Beijo.
isa.

(Carlos Soares) disse...

"Ninguém, meu amor, conhece como nós o sol". Essa frase por si só já é um poema. Falou tudo, se ele não quisesse escrever mais nada, não precisava

Baby disse...

A poesia acolhe-nos, como se nos pertencesse.
Obrigada por tanta partilha enriquecedora.
Beijos e uma boa semana.

Deusa Odoyá disse...

Olá soninha...
Concordo com nossa amiga Isa,
não conheço esse poeta moçambicano, mais um para partilharmos emoções.
Beijos minha amiga.
Saúde e paz.
uma noite na doce paz de Jesus, para vc. e sua familia.

Dois Rios disse...

Moçambique, terra do meu adorado Mia Couto. Terra que se derrama em poesias como essa pérola que você postou.

Muito linda!

Beijo,
Inês

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.