.

.

18 abril 2009

A uma flor...


Por que, quando a corola se entreabria
tonta de luz, e num deslumbramento,
já pendias cansada e sem alento
nesse ar precoce de melancolia?

Não vês, acaso, que esta sombra fria
que escureceu o azul do firmamento
é uma nuvem somente, e ao vir do vento
surgirá novamente a luz do dia?

Ergue-te pois, feliz e alegre no ar!
Tua viva corola não se entrega
à tristeza que a tenta desfolhar...

Não afrontes o sol ó flor tão linda!
Que esta sombra que passa e que te cega
é sombra apenas.., não é noite ainda!

Manoel Acuña (México)
Este poeta morreu tragicamente apenas com 24 anos de idade.
Alguns de seus poemas obtiveram popularidade, não só no próprio país, como em toda a América.

10 comentários:

Princesa disse...

Lindo mesmo amiga
uma bonita homenagem ao poeta
um flor é a coisa mais linda
um bom domingo para si
beijo

Fernando Shook disse...

Somos todos flores a temer a sombra de uma nuvem negra, que nos faz fechar à imaginar que é noite já, mas o poeta com a lucidez de quem sabe o que faz, nos mostra, que tudo passa ....

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Amigo é aquela pessoa que o tempo não apaga,
que a distância não esquece,
que a maldade não destrói.

É um sentimento que vem de longe,
que ganha lugar no seu coração
e você não substitui por nada.

É alguém que você sente presente,
mesmo quando está longe...
Que vem para o seu lado quando você está sozinho
e nunca nega um sentimento sincero.

Ser amigo não é coisa de um dia,
são atos, palavras e atitudes
que se solidificam no tempo
e não se apagam mais.
Que ficam para sempre como tudo que é feito
com o coração aberto.

Um bom domingo e uma semana cheia de amor e carinho para você e toda tua família
Um abraço com muitos beijos te amo
Eduardo Poisl

Fernanda Fernandes Fontes disse...

Que belo poema, reluz um amanhã ensolarado! Não conhecia esse poeta, gostei dos dizeres!

Abraços.

http://degustacaoliteraria.blogspot.com

manly disse...

La muerte no entiende de edades. Afortunadamente las palabras no mueren nunca. Saludos.

Peter Pan disse...

Oh, Carinhosa e Doce Amiga:
Tem uma sensibilidade de ouro nas suas mãos mágicas.
"...Não vês, acaso, que esta sombra fria
que escureceu o azul do firmamento
é uma nuvem somente, e ao vir do vento
surgirá novamente a luz do dia?

Ergue-te pois, feliz e alegre no ar!
Tua viva corola não se entrega
à tristeza que a tenta desfolhar..."

Possui uma sensilidade terna, doce e notável que faz maravilhar e encantar em deslumbrantes poemas de fascínio.
Trágica, a morte do poeta, não foi?
Demonstra em si e no que é, uma cativante postura de excelente Cidadania artística nos âmbitos pessoal, social e humano.
É linda, sabia?
FABULOSA, amiguinha, dar viva voz ao encanto!
Beijinhos de respeito pela sua imensa significação admirável e genial.

Um outro heterónimo de Pena - P.P.

P.p./Pena

EXTRARDINÁRIO. Deve ser Um Ser Humano Gigante/Perfeito "vestindo" vestes enormes de poemas de sonhar e sonhar...
Bem-Haja, amiguinha!

Luísa disse...

Tudo por aqui é belo:
- a Sónia, claro,
- as imagens, sem dúvida,
- os poemas escolhidos, inegavelmente,
- a inovação diária, comentadamente.

Será sempre um prazer, vir sentir a brisa da ilha, quer em dis de sol aberto, quer em dias em ques as nuvens o escondem, "não sendo noite, ainda"!

Adorei o poema...
Beijinho terno!

Isa disse...

Como é suave este vento,esta brisa q.vem até mim,enviada por você.
Beijo.
isa.

José Heitor Santiago disse...

Belíssimo poema de quem nos deixou na flor da idade!

Abraços poema,

jhs

Eu disse...

Muito lindo este poema e muito triste também a morte tão prematura do poeta...
Tem um selo para você no meu Blog.
Beijinhos

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.