.

.

17 abril 2009

DÁ-ME TUA MÃO


Dá-me tua mão, e dançaremos;
dá-me tua mão e me amarás.
Como uma só flor nós seremos,
como uma flora, e nada mais.

O mesmo verso cantaremos,
no mesmo passo bailarás.
Como uma espiga ondularemos,
como uma espiga, e nada mais.

Chamas-te Rosa e eu Esperança;
Porém teu nome esquecerás,
Porque seremos uma dança
sobre a colina, e nada mais.

Gabriela Mistral (Chile)

11 comentários:

O mar me encanta completamente... disse...

É sempre uma emoção te ler, querida.
O amor se faz presente tão intensamente, aqui.
Parabéns pela escolha de mais essa pérola .

Beijinho

iilógico disse...

sobe
sobe a serra
sobre amor falaremos


bjs

Mahmood Syedfaheem disse...

Hi Sonia Schmorantz! Thanks. yes. We should extend our hands to up lift the global community. The photograph is nice.
http://health-care-you.blogspot.com

Adolfo Payés disse...

Un gusto inmenso leerte siempre.

saludos fraternos con cariño
un abrazo inmenso besos

Pico minha ilha disse...

Lindo!!!
Beijo e bfs

mundo azul disse...

_______________________________

Belíssimo poema!

Obrigada pela partilha, Sonia!


Beijos de luz e o meu carinho...

__________________________________

Daniel Costa disse...

Sonia

Faz bastante tempo, que não lia nada de Gabriela Mistral. O "Vento na Ilha",
tranporta um cheiro a maresia, que me foi familiar. Agora encanta-me mesmo.
Daniel

A Flor do Sul disse...

Seremos o sopro do mar
Recém chegado a esta cidade,
A palavra quieta dessa alma muda
Que ansei cantar,

E no emablo da canção
Ouviremos o eco da alma,
Distante da melodia,
Cada vez mais perto do nosso coração.

Juℓi Ribeiro disse...

Sonia:

Lindo poema!

Teu bom gosto e tua sensibilidade
encantam a todos os que
te visitam.
Um abraço.

Juℓi Ribeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
REGGINA MOON disse...

Belíssimas postagens e imagens...
Parabéns!!!

Beijos,

Reggina Moon
Verso & Prosa

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.