.

.

03 junho 2009

A surpresa de olhar-te


Tu, que vieste sem eu te procurar, vem comigo.
Se souberes de cor a cor do vento
e quiseres decifrar, nas minhas mãos,
os gestos sem memória, vem comigo.
Como um recado quero explicar-te
por que motivo trago dentro de mim
uma longa praia, às vezes deserta,
outras vezes sufocada de gente.
É em mim que as ondas se quebram
quando o mar, intranquilo,
penetra o sossego das dunas.
É em mim que ecoam os gritos fúnebres
das mulheres, sempre que os barcos não regressam.
É em mim que nascem os lenços brancos do adeus.
É em mim que os búzios ressoam os segredos das marés.
É em mim.
Depois, a areia aquece as veias
e a respiração de quem chora amores impossíveis
e o corpo é um sacrário sem liturgia
a renegar o seu próprio destino.
Por isso, a surpresa de olhar-te.
Contigo permanece a alegria do riso,
branco de açucenas e de luar,
como uma festa de nascer.
Mas repara em nós : que brilho é este
que nos brinca nos olhos como se fossem lágrimas?

Graça Pires
Imagem 1: Itaguaçu, SC - Brasil
Imagem 2: Praia do Moçambique, Florianópolis - Brasil

10 comentários:

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Você quer a lua eu o sol
Você quer o mar eu a terra
Você quer uma ilha eu o continente
Você que novela eu futebol
Gosto do azul e você do vermelho
Gosto de cerveja e você de vinho
Quero o verão você o inverno
Pessoas diferentes
Amores iguais

Beijos te amo

Bandys disse...

Linda as fotos assim como lindo o poema de Graça Pires!

Se pudesse deixar algum presente a você
deixaria aceso o sentimento de amar
a vida dos seres humanos
A consciência de aprender tudo
o que foi ensinado pelo tempo afora
Lembraria os erros que foram cometidos
para que não mais se repetissem
A capacidade de escolher novos rumos
Deixaria para você se pudesse
o respeito àquilo que é indispensável
Alem do pão o trabalho
Além do trabalho ação
E, quando tudo mais faltasse um segredo
o de buscar no interior de si mesmo
a resposta e a força para encontrar a saída"
[Gandhi]

Beijos

Adolfo Payés disse...

una entrega a tus versos..


besos
saludos fraternos con mucho cariño
un abrazo inmenso

Ricardo Calmon disse...

Bailando da vida bolero,manhã essa acordei,em ode essa ao mar e amar o mar!
Um Dia à Altura de alma viva poética sua!

Beijo mãos vossas!

Viva Vida!

(Carlos Soares) disse...

Amiga. nao sei porquê mas não consigo comentar no blog do Eduardo "Uma ilha para amar". Transmita a ele por favor.
Parabéns pelo prêmio.Fico muito feliz e orgulhoso por ter sido lembrado.Um abraço

(Carlos Soares) disse...

Amiga. nao sei porquê mas não consigo comentar no blog do Eduardo "Uma ilha para amar". Transmita a ele por favor.
Parabéns pelo prêmio.Fico muito feliz e orgulhoso por ter sido lembrado.Um abraço

(Carlos Soares) disse...

Amiga. nao sei porquê mas não consigo comentar no blog do Eduardo "Uma ilha para amar". Transmita a ele por favor.
Parabéns pelo prêmio.Fico muito feliz e orgulhoso por ter sido lembrado.Um abraço

Corações & Segredos disse...

Oi amiga.
Bom ler vc no meu blog. Obrigada.
Amei esse poema...

Aproveito e Convido a visitar meu blog dia 09, para uma fatia de bolo pelo meu niver e 20.000 visitas. aguardo vc. Carinho de RO!

RaH disse...

Vc sempre posta poemas mto bem escolhidos.
sao lindos de mto bom gosto
beijos

Ana Lúcia. disse...

Soninha,
olhar aqui é um presente sempre tão terno.
Palavras em harmonia contínua...
Música que encanta a alma...
E, nesse banco,
sentei-me e fiquei admirando o infinito horizonte...
Obrigada. Gosto tanto...
Beijãozinho, e um abração apertadinho.

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.