.

.

18 julho 2009

Quando as gaivotas cantam



Quando as gaivotas cantam
o dorso, a um céu aberto

tu perguntas: acendem-se ofertas?

abrigo os braços
num grito insondável
no azul
no teu sexo

quando as gaivotas cantam
é como se nada mais houvesse.

Maria Gomes
http://romadevidro.blogspot.com/

Imagem 1: http://flickr.com/photos/1garysan/2217301938/
Imagem 2: Praia da Joaquina, Eduardo Poisl

10 comentários:

Bill Falcão disse...

Quando cantam e, eu acrescentaria, quando dançam aquele doce balé ao nosso olhar.
Bjooooooooo!!!!!!!!!!!!

Pena disse...

Maravilhosa Amiguinha.
Quando "As Gaivotas Cantam" é para revelar e espalhar a sua ternura, a sua beleza e pureza extraordinárias e doces.
Excelente!
Um Bem-Haja do tamanho do mundo pela sua simpatia e amabilidade gigantes e ímpares.
Beijinhos amigos de imenso respeito pela linda poetiza que é.
Jorra de si sempre encanto. Delícia.
Sempre a admirá-la e a lê-la com encanto.

pena

OBRIGADO, amiguinha.
Um post cativante do seu enorme sentir.
Bem-Haja!

Adão Jorge disse...

Um excelente fim-de-semana, se possível, diferente!

ASS: Diferente

Léo Metallica disse...

Oi Sônia.

Peço que confira o meu novo blog, pois roubaram a conta do meu antigo.

http://brainstorm-ride.blogspot.com/

Obrigado.

elvira carvalho disse...

Fui criada junto a um rio, e convivendo com um "mar" de gaivotas. Vivíamos e trabalhávamos junto ao rio numa Seca de Bacalhau. Este era lavado em grandes tinas de água por 12 a 14 mulheres em cada tina. As impurezas que se tiravam do bacalhau ficavam no fundo da tina, que era depois despejada directo para o rio.
Não era poluição, já que as gaivotas se banqueteavam com isso e disputavam com os peixes essa alimentação. Desde sempre me habituei aos seus cânticos e aos seus voos em círculos que mais pareciam bailados.
Um abraço e bom Domingo

Graça Pereira disse...

Gosto de gaivotas... Quando elas chegam, trazem-me vidas...do outro lado do mundo! Um bj Graça

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA SONIA, BELO POEMA E AS FOTOS ESTÃO LINDAS... ABRAÇO-TE COM CARINHO,
FERNANDINHA

Déia disse...

A gaivota canta e a natureza sorri! E eu agradeço!
bj

Adolfo Payés disse...

Un gusto leerte siempre.. por ahora no he podido dedicar el tiempo necesario para comentar, me encuentro fuera de casa, pero hoy deje el espacio para comentar...

Saludos fraternos
Un abrazo
Perdón por mi ausencia

Ademar Oliveira de Lima disse...

Estive por aqui lendo um pouco em seu blog!! Abraços Ademar!!

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.