.

.

09 agosto 2009

Sonhos


É uma quietação que nasce da tarde,
Com as imagens que arrumo na prateleira do outono,
de onde as irei tirar nessa primavera que faz parte
do teu sonho.
De novo, estabeleço uma relação
entre o rosto que se afasta do mundo e
o azul de um céu antigo, que serve
para guardar a linha do horizonte nas manhãs
em que a névoa a esconde.
Ambos me afastam
da penumbra do poema, e quando derramo
esse azul sobre o teu rosto é como se a tinta
do céu te restituísse a cor da vida,
e o riso que ilumina a noite.
Regresso então ao princípio,
que és tu, para roubar à tarde a sua quietação,
e desenhar com ela o teu perfil sobre o sonho
em que a primavera floresce.

Nuno Júdice

6 comentários:

Adolfo Payés disse...

Sueños.. muy sentidos en tus versos..

Un gusto leerte

Saludos Fraternos
Un abrazo

©tossan disse...

Com o meu tango favorito um lindíssimo poema, mas o que me encanta mais são as fotos de Eduardo. Beijo

a magia da noite disse...

as viagens do sonho, são água pura, que surge da rocha e refresca o corpo cansado do pó da vida, como milagre que se realiza num fechar e abrir de olhos.

(Carlos Soares) disse...

elas músicas, belos textos e imagens mais ainda.Desejo linda semana

Everson Russo disse...

Uma semana de muito amor e muita paz pra ti querida...beijos no coração

Wanderley Elian Lima disse...

Passar por aqui é ter a certeza de ver coisas belas.
Um abraço

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.