.

.

13 abril 2010

Areia





Hoje mesmo, se viestes a mim chorando,

quão delicadamente eu então lhe abraçaria...
Mas a tua presença é frágil duna ao vento
e em minhas mãos levemente se desfaria!

A brisa que finalmente assim lhe levaria,
- sopro de alma longínqua e calada -
  iria retirando-te de perto de mim:
leve, sem voz, sem tom, sem nada...


 (Clebson Moura Leal)



20 comentários:

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

O acôrdo entre duas almas é algo sublime.

Beijo, Sonia

SolBarreto disse...

Adorei o poema...
"Mas a tua presença é frágil duna ao vento
e em minhas mãos levemente se desfaria!"
Frase forte...

Glória Müller disse...

Oi Sônia, tudo bem com vc?
hoje eu me senti mais frágil que areia... me senti sozinha.
Beijos
Glória

Daniel Costa disse...

Sônia

Uma imagem esá definida no poema, a duna, a dar-lhe dimemsão descontraída como aquela. As fotos complementam.
Abraço
Daniel

direitinho disse...

Bonito poema.
Parece que sentimos o silêncio como a areia que passa pelos dedos das mãos

susana disse...

Lindo poema...a vida é uma ilusão tão fugaz que se nos escapa por entre os dedos!
beijinhos missixty

Lídia Borges disse...

Como um castelo de areia desfeito pelas ondas.

L.B.

Dora Regina disse...

Sonia, lendo esse poema, o comparei a vida que passa tão rápido, é como se pegássemos areia em nossas mãos e abríssemos, a areia se vai, ficam apenas os fragmentos...
Um abraço!

Taninha Nascimento disse...

Me emocionou. Me fez viajar [no tempo] - tal qual areia ou poeira.

Bjs!

Zilda Santiago disse...

Lindo poema Sonia!!!Tenho vindo menos pq o trabalho no centro reiniciou e o tempo diminuiu.Bssssssss

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Sonia, belas fotografias...belo poema...Espectacular....
Beijos

Lu Nogfer disse...

Casamanto perfeito entre imagens e poesia!Simplesmente lindo e deslumbrante!

Amei o post!

Uma linda tarde pra ti!

Beijinhos!

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Sonia
Tão simples e tão belo. Gostei.
Um abraço

sam rock disse...

A menudo somos dunas expuestas al viento. En nosotros está el interés en saber movernos para no deshacernos.

Un abrazo

AROBOS disse...

Un lindo poema, como tantos de los que nos muestras. Las fotos, excelentes.

Bill Falcão disse...

Na areia, deixamos nossos passos.
Obrigado pela presença lá em nosso niver.
Bjooo!!!

E.Rakowski disse...

Poema belo, e as fotos
maravilhosas, encantada estou!



Saudades desta ilha.
Um abraço.

Richard Mathenhauer disse...

, os versos caíram perfeitamente bem nesta noite fria de outono. Se fechasse os olhos, certamente sentiria a aridez da areia entre os dedos...

Lindas as fotos!, especialmente esta última.

Abraços,

Rosemildo Sales Furtado disse...

Adorei o poema, Singelo e ao mesmo tempo profundo.

Bela escolha.

Abraços e fique com DEUS.

Furtado.

Phivos Nicolaides disse...

Olá! Seu blog é lindo. Se você tiver tempo, visite o meu blog de viagem, que está em Inglês e em grego AQUI!!

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.