.

.

27 abril 2010

Chuva de amor


Quando digo em segredo que te quero,
e um sorriso doce me encanta,
sou como o arco-íris na chuva ,
garoa fina que toca a pele,
gota singela a percorrer sem rumo,
como as gotas da chuva na janela.
Meu amor adormece aquecido,
chuva fria fica lá fora,
goteiras fazem serenata,
com o cinza da saudade.
Aqui dentro faz calor,
não existe tempestade,
chuva fria fica na calçada,
aqui dois braços abertos
e um sorriso me esperam.
Com licença,
o amor me chama.

Sônia Schmorantz



Imagens desta tarde na Praia dos Ingleses, a minha praia....

11 comentários:

Nanda Assis disse...

lindo poema, que nos toca alma e coração.

bjosss...

Glória Müller disse...

Sônia, lindo demais!!!!

Beijos
Glória

Sônia Brandão disse...

Fugindo da chuva para os braços quentinhos do amor. Existe coisa melhor?

bjs

Malu disse...

Olá Soninha,
ternas palavras e fotografias deliciosas.
Beijinhos

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Muito bonito, Sandra. Um jeito sutil de falar de amor. Lindas imagens. Bom dia

LOURO disse...

Olá Sónia!

Lindas fotos...com um poema de encantar!!!

Beijinhos de carinho e amizade,
Lourenço

Suelen Braga disse...

Muito lindo...estou encantada
Beijo grande =*

Agulheta disse...

Sónia. Quando se diz eu te quero! Sempre o deve ser,olhos nos olhos,o coração palpitar como no primeiro dia,e se fazer ouvir a tal serenata.
Beijinho de amizade Lisa

Ivana Marisa Altafin disse...

Oi Sônia,

Fique à vontade, ninguém vai te incomodar, ame muito! Lindo poema, eu adoro as palavras "misturadas" com a natureza, principalmente com a chuva que eu adoro. Um grande abraço!

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Ai que pecado. SÔNIAAAAAA. Tinha certeza tinha digitado certo. Desculpe é a correria minha amiga.Mas o poema li duas vezes, porque é lindo. Ainda bem que ocê é boazinha perdoa.Amanhã porei outra postagem bem legal. BOa noite. Beijão

Maurélio disse...

Poema e paisagem de tirar o fôlego, amei!!!
Beijos ternos

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.