.

.

26 maio 2010

Mais um dia de outono


Mais um dia de outono
dia frio de outono
ventos de maio me valem
caminho distante de meus passos
e firmo meus pés em certezas exploráveis
rostos passam por mim e nem vejo
sorrisos me acompanham, mas nada almejo
isso é só hoje
só por hoje, espero
silencio ousados batimentos
suspiro lenta e pisco rapidamente
busco todo o ar que posso
jogo o choro pra dentro do esquecimento
meus dias de outono darão histórias a contar
uma leve e embriagante nostalgia me toma
mantenho meus pés no chão
imploro por certezas
invadem-me as dúvidas
cantarolo qualquer coisa
brinco, faço rimas
sorrisos me escapam
lágrimas esquecem que deveriam estar esquecidas
e cá estou eu, com mais essa história pra contar

Ana Carla
Publicado no Recanto das Letras em 03/05/2010
Código do texto: T2234497



7 comentários:

Bloguinho da Zizi disse...

Eneste lindo dia de outono, venho te oferecer um selinho.
Só pra quem é Fabulosa.
beijinhos

Valter Montani disse...

beijos e bom dia!

Se amar-te foi um pecado,
então já estou sentenciado.
Meu corpo já não me pertence,
minha mente foi subjugada,
pertinaz, só tenciona ter-te.
Espero de Deus, apenas piedade
quando penitente eu morrer de amor
tenha da minha dor, compaixão
e absolva o espírito deste homem
que em desatino para ti entregou:
o corpo, a alma e o coração!

Valter Montani

Anne Lieri disse...

Sonia,que maravilhosa e comovente essa poesia da Ana Carla!Amei esse outono!Parabéns pelas 100 mil visitas,vc merece!Bjs,

Lu Nogfer disse...

Uma linda poesia para sentir lindamente o outono!

Estava com saudades!

Beijos amiga!

BOM DIA!

Branca disse...

Linda escolha amiga!
Tenha um excelente dia!
bjo!

M@ria disse...

Aos que me são queridos, deixo as coisas pequenas. As grandes são para todos.

Rabindranath Tagore

Beijos e abraços...M@ria

Vieira Calado disse...

Há sempre mais uma história

para contar

sobretudo em fins de Verão...

ou no seu princípio!

Bjs

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.