.

.

12 junho 2010

Amar


Fechei os olhos para não te ver
e a minha boca para não dizer...
E dos meus olhos fechados desceram lágrimas que não enxuguei,
e da minha boca fechada nasceram sussurros
e palavras mudas que te dediquei...
O amor é quando a gente mora um no outro.

Mário Quintana


Eu amo tudo o que foi
Tudo o que já não é
A dor que já não me dói
A antiga e errônea fé
O ontem que a dor deixou
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.

Fernando Pessoa


7 comentários:

Priscila Lima disse...

tenha um lindo fim de semana!

Jaclo disse...

Bonito tu poema, que pude tener cualquier motivo o ilusión, pero lo más importante, como dices: "que hable al corazón".
Saludos.

MEUS PENSAMENTOS disse...

adorei!!!e adorei tbm suas fotos sempre linda na lateral bjinhos meus...marcinha.

Richard Mathenhauer disse...

Ah, minha Amiga de Olhos Perfeitos, se você soubesse a saudade que sinto do mar!

Abraços de quem admira sua capacidade de eternizar o momento!

RETIRO do ÉDEN disse...

Excelente escolha Sônia.
Sejam muito, muito, felizes com Deus sempre pertinho de vocês.
Bjs.
Mer

Madre Del'Alma disse...

Ah! O destino, menino peralta, que não para...Bom para nós. Afinal, é ele que acaba por provocar, com suas traquinagens, alguns encontros especiais, assim como, o nosso. Estar aqui é muito bom. Descobrir que temos algumas afinidades, melhor ainda...Também sou filha gaúcha, há muito longe da terra querida, adoro uma ilha mágica, Fernando pessoa, Santaroza - que foi quem acabou por provocar esse encontro - paixão, música, fotografia e pela vida...
Muito bom estar aqui e te conhecer um pouquinho menina chamada Sônia...
Deixo além de meu carinho as bênçãos da Grande Madre.

Namastê!

;D

Daniela Ortega disse...

Adorei os poemas, Sônia!!
Fico muito feliz por ter colocado minha foto aqui :D um abraço!!

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.