.

.

10 junho 2010

Canção do Amor Sereno


Vem sem receio: eu te recebo
Como um dom dos deuses do deserto
Que decretaram minha trégua , e permitiram
Que o mel de teus olhos me invadisse.

Quero que o meu amor te faça livre,
Que meus dedos não te prendam
Mas contornem teu raro perfil
Como lábios tocam um anel sagrado.

Quero que o meu amor te seja enfeite
E conforto, porto de partida para a fundação
Do teu reino, em que a sombra
Seja abrigo e ilha.

Quero que o meu amor te seja leve
Como se dançasse numa praia uma menina.

Lya Luft



12 comentários:

SolBarreto disse...

Que poema lindo!
Nao conhecia nada de Lya Luft,mas confesso adorei!
E olha que ja vi um livro dela na livraria ...pensei em comprar e acabei deixando pra depois,vou corrigir esse erro!

direitinho disse...

Lindo poema de amor oferta e não amor cativo. Aqui a poetisa oferece o seu coração para receber sem prender, para dar e aceitar apenas por amor.

tossan disse...

Gostei muito da silhueta e do blog mais claro assim. Beijo

Chica disse...

Lya é sempre maraviljhosa!Ficou lindo o novo layout!beijos,chica

MEUS PENSAMENTOS disse...

bom dia sonia!o visual esta lindo e o poema idem bjs saudosos!marcia

RETIRO do ÉDEN disse...

Lindo...
Um forte abraço
Mer

Priscila Rôde disse...

Sou uma quase fã da Adélia e da Lya!
Adoro!

Priscila Lima disse...

Nossa dorei o novo formato!
e as fotos cada vez mais lindas.
Parabens!

Sandra Helena Queiróz Silva disse...

Olá Poetisa!

Deixando beijos de luz.
O seu blog está divino, as fotos, textos, poesias enfim tudo tão fantástico.Parabéns pelo bom gosto e requinte.

Deusa disse...

que delicia essa brisa suave!!
tava com saudades
abraço carinhoso
Lilian

in natura disse...

Ficou mais bonito assim clarinho combina com você. Feliz dia dos namorados. Beijuss

marcia. disse...

passando pra te desejar um lindo dia dos namorados!!

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.