.

.

28 outubro 2010

O Vento e a Poesia


Enquanto nas sombras da noite
o pranto cálido e crédulo jazia,
Tocou-me o vento,melodia triste
 na alma pousando-me a poesia!
Rôtas as lembranças, pensamentos
afluiram com a voz do vento
desenhando teu rosto, tão amado.
 Traços de um retrato abstraidos...
O que fazer do brívido da poesia...
 Se escrever-te versos eu não podia e
Então os tecia entre palavras frágeis...
Dedilhei rimas concavas de ternuras
nelas excomungando a minha dor
em sílabas grávidas de amor!


Theca Angel


Imagens da Lagoa da Conceição

9 comentários:

ANTOLOGIA POÉTICA disse...

Vislumbro o colorido da vida,
contemplo as estrelas do céu,
sou pelos anjos á escolhida,
caminho entre eles sem véu...

Valquíria Cordeiro

Feliz Noite e beijos meus! M@ria

tossan® disse...

Sílabas grávidas de amor! Lindo isso! As fotos também. Beijo

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Sonia
Apesar da tristeza contida nos versos, eles não deixam de serem lindos.
Um ótimo fim de semana
Um abraço

Luís Coelho disse...

Boa escolha com este poema à noite e suas sombras mágicas.
Passe no lidacoelho e veja o que escrevi esta semana, com este tema.

Baby disse...

Poema pleno de romantismo e beleza cujas palavras nos tocam como uma melodia.
As imagens sempre de uma beleza ímpar.

Beijos.

sam rock disse...

Que esas sombras de la noche sirvan para avivar la ternura de la gente que te rodea. Que pases un feliz fin de semana.

Un abrazo

Vieira Calado disse...

Olá, amiga, boa noite!

Passei para ler as novidades

e desejar bom fim de semana.

Bjs

Vitor Chuva disse...

Olá, Sonia!

Saudades de quem se perdeu, avivadas na poesia trazida pelo vento.
É bonito, e tristinho, também.

Bom fim de seamna.
Vitor

G I L B E R T O disse...

Sônia
Fica saboroso ler a poesia diante dessas tuas fotos tão lindas... Parece, até que a gente está na praia, no meio da paisagem fascinante, lendo poesia!

Parece até, que a gente sente o cheiro do mar, a brisa do mar....

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.