.

.

24 outubro 2010

Tardes de Primavera


Tardes de primavera morrem devagar,
como vento que balança flores,
num dourado bordado de pétalas
dançando...
Tardes de primavera são mornas,
morrem serenas como deveriam ser
todas as mortes...
Tardes de primavera são pássaros,
voando em direção ao sol
morrem esvoaçantes no horizonte...
Tardes de primavera são doces,
Horas que morrem lentas e douradas,
dispersas no sol poente...
Tardes de primavera são assim,
douradas e serenas mortes
também no coração da gente...

Sônia Schmorantz




12 comentários:

Rosani disse...

Amiga querida!

Que poema lindo! somente uma poetisa com tamanha luz é capaz de fazer essa bela reflexão de nossas fases da vida através da poesia. Parabéns amiga sempre fico emocionada nesse cantinha magico e suave que é seu.

beijos,

Branca disse...

Dá uma paz olhar essa paisagem linda enqto finda essa bela tarde de primavera...

TEnha uma semana de paz amiga,
bjos!

Francisco Vieira disse...

Boa noite!

Muito bonito o seu poema...

Cumprimentos

Arantza G. disse...

Tardes de primavera;serenas como tu poema.
Muchos besos, cuídate

SAM disse...

Sonia,

as fotos são bonitas, mas o seu poema é sensacional! Parabéns e obrigada pela bela partilha.

Beijos e ótima semana.

Graça Pereira disse...

Um poema doce...cheio de primaveras...
Estive fora viajando, cheguei ontem!
Beijo e uma boa semana.
Graça

orvalho do ceu disse...

Olá, Sônia querida
Poema encantador!!!
Venho porpor-lhe algo no meu post de hoje...
Conto com sua participação amiga.
Excelente semana,cheia de ricas bênçãos!!!
Abraços fraternos

Helena Castelli disse...

é quase noitinha
o céu entorna no poente
um copo de vinho
(Humberto del Maestro)

Beijos
poéticos
de boa noite.

sam rock disse...

Sonia, su sentido poema me ha devuelto a un tiempo añorado, a un lugar, a un idioma. Su brasileño resulta más cercano que nunca a mi gallego. Enhorabuena por su empatía.

Un fuerte abrazo

Celylua - O blog das Letras disse...

Olá querida menina das belas letras...
Saudades literárias... (risos).
Seu blog é muito acolhedor, ou seja, as paisagens e os poemas são fantásticos, parabéns!
Desde já, recebe meu carinho e a certeza que tenho muito apreço e reverencia pelas suas brilhantes postagens.
Deus abençoe você, Eduardo e todos da sua família.
Beijos perfumados de poesias pra vocês dois.
Felicidades sempre...
Carinhosamente,
Cely.
Muito obrigada!

Richard Mathenhauer disse...

Em mim sempre umas tardes de primavera vão morrendo serenamente...

Gostei dos versos!
E do amarelo das flores!

Abraços do amigo,

Lídia Silva disse...

É lindo o seu espaço!!!!

Voltarei para apreciar melhor.

Parabéns Lídia

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.