.

.

09 janeiro 2011

Poente


Como sempre, o vento
caiu ao fim da tarde, com a calma
branca dos muros; 

e as horas estendiam-se pelo campo,
como os pássaros do poente.
Mas doíam-me as dúvidas
que trouxe deste dia; 

e colei-as às flores de uma árvore,
para que delas nasçam
os frutos luminosos de amanhã.
De noite, quando me esquecer
da ondulação verde da terra,
ouvirei o silêncio - e nas suas palavras
contarei as sílabas mudas do amor,
enquanto o mundo não acorda.

Nuno Júdice


"Guardo no meu bolso
um raio de sol
.
Hei-de usá-lo
quando vier o Outono
para amadurecer o silêncio
que levará o poema..."


Imagens da Ilha do Mel no Paraná, fotografadas 
pela amiga Lee Eilert

8 comentários:

tossan® disse...

Oi Sônia, andas sumida igual o amigo Eduardo! Lindas fotos da sua amiga principalmente a última com o detalhe do pano. Beijo

Luís Coelho disse...

Um poema muito belo onde sobressaem humanizados raios de sol que se procuram guardar na ondulação verde da terra

Dois Rios disse...

"Mas doíam-me as dúvidas
que trouxe deste dia;
e colei-as às flores de uma árvore,
para que delas nasçam
os frutos luminosos de amanhã."

Versos sublimes! Os poetas sabem nos surpreender.

As fotos são belíssimas, principalmente a do seu template.

Bjs,
Inês

Vieira Calado disse...

Lindas imagens

a emoldurar o poema!

Beijinho

Malu disse...

Ah! O silêncio das palavras de amor nos levam aos mais fantásticos caminhos...
\lindo poema de Júdice!!!
Um forte abraço, Soninha

Sotnas disse...

Olá Sônia, desejo que tudo esteja bem contigo, sempre!
É justo o silêncio nas palavras do amor ouvir,
Posto que seja puro sentimento, o amor,
Melhor mesmo é sentir!
Ora, perdoe este seu amigo, por percorrer sem ter sido convidado, esta trilha deixada por este belo poema de amor!
Sônia desejo pra você e todos ao redor iluminada e feliz existência sempre, obrigado pelas visitas e comentários carinhosos, grande abraço e até mais!

Sotnas disse...

Oi desculpe! Parabéns pra sua amiga pelas belíssimas imagens, muitos belos detalhes! até mais!

ju rigoni disse...

Olá, Sonia! Sempre proporcionando aos visitantes imagens e o melhor da poesia.

Querida, desejo-lhe muitas realizações neste 2011. E principalmente muita saúde, - para que você possa vivê-las com alegria.

Bjs e inté!

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.