.

.

04 abril 2011

Às seis da tarde


Às seis da tarde
as mulheres choravam
no banheiro.
Não choravam por isto
ou por aquilo
choravam porque o pranto subia
garganta acima
mesmo se os filhos cresciam
com boa saúde
se havia comida no fogo
e se o marido lhes dava
do bom
e do melhor.
Choravam porque no céu
além do basculante
o dia se punha
porque uma ânsia
uma dor
uma gastura
era só o que sobrava
dos seus sonhos.
Agora às seis da tarde
as mulheres regressam do trabalho
o dia se põe
os filhos crescem
o fogo espera
e elas não podem
não querem
chorar na condução.

Marina Colasanti

Praia do Pântano, Florianópolis
Meia Praia, Itapema

6 comentários:

Deusa disse...

Sonia querida
Marina Colasanti e suas fotos me emocionaram
Perfeito tudo aqui !
Abraço Enorme !!
bjs

Nanda Assis disse...

lindas imagens, vc vive é no paraiso!!

bjos...

Luciane Morais disse...

Olá Sônia!

Que linda poesia* Amei as fotos*

Uma excelente semana pra vc*

Abraços,
Lu

Sotnas disse...

Olá Sônia, que tudo esteja bem contigo!
Um belo texto de Marina Colasanti, que expõe sentimentos, e estas belas imagens suas e, mais esta bela trilha sonora, parabéns! Bom demais estar por aqui, e admirar um pouco desse vento no seu paraíso!
Desejo a você e todos ao redor muitas felicidades, agradecido pelo carinho, grande abraço e até mais!

Campeche Fatos & Fotos disse...

Parabéns pelo blog e pelas belas fotos disponibilizadas.
Florianópolis continua linda....

Colonese
Campechefatosefotos.blogspot.com

tossan® disse...

Meu Deus, a beleza existe tanto na poesia quanto nas fotos aqui neste espaço maravilhoso. Saudade! Beijo

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.