.

.

16 abril 2011

És como o ente da noite...


És como o ente da noite
que na mistura de neblina e lua
sorves as paixões frias da rua.
És como areia pronto
para ser levado por sopro alheio
ou pela insanidade ensimesmada de teus devaneios.
És como nuvens brancas ídas
que se mesclaram a céus vermelhos
no entardecer da vida.
És como água de fonte se esvaindo pura,
roçando pedras soltas,
escorregando livre sob pontes nuas.
És vulto solitário que se extasia
na silenciosa madrugada fadada
a não ser noite…a não ser dia…
ao nascer…noite
ao morrer … dia.

Vera Stockler

Praia Mole
Dunas na Lagoa da Conceição

6 comentários:

Martini Bianco disse...

Mais um poema inspirador, mais umas fotos igualmente inspiradoras e de beleza única, como só tu consegues.

Sempre um enconto voltar ao seu blog.

Beijos

sam rock disse...

Un fuerte abrazo Sonia. Me siento muy bien cuando visito tu isla. Disfruto de su paisaje y de su paisanaje.

Un bico.

in natura disse...

O poema é lindíssimo, e as fotos mais ainda. Beijus de saudade

PS: Você adora a água do mar eu sei porque estava ao teu lado por mais de uma hora no mar. Pela cintura é claro.

José María Souza Costa disse...

CONVITE
Passei aqui lendo.
Sou um leitor assíduo de blogues.
Mas, estou lhe convidando a visitar o meu blogue. Muito Simplório, e se possivel seguirmos juntos por eles.
Estarei lhe esperando lá. Lhe desejando um Tempo de Paz e harmonia Espiritual.
Te espero lá, com um...
Abraço Fraterno

Amor feito Poesia disse...

Na minha memória, tão congestionada e no meu coração tão cheio de marcas e poços você ocupa um dos lugares mais bonitos".

(Caio Fernando Abreu)

Uma semana de paz e alegrias.
Beijo-te o coração...M@ria

M@ria disse...

Quero voltar a origem de certos tempos,
Atravessando montanhas de atmosferas
E sentir o perfume do seu coração!

José Bonifácio

Paz na semana que se inicia.
Beijo-te a alma e o coração! M@ria

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.