.

.

31 julho 2011

Agosto


Domingo frio, quase agosto,
Os sinos anunciam a hora da missa,
Embalando as nuvens carregadas,
Que andam vagarosas no céu.

No ar sombrio da tarde
O toque do sino é melodia,
Enquanto a chuva fina
É uma pálida cortina.

Chega o agosto, cheio de frio,
Na rua silente, sem caminhantes,
A voz do sino é um soluço,
Misturado ao silêncio da tarde.

Bradam os ventos contra as pedras,
Revoltam-se as ondas do mar,
O olhar afunda-se para além da janela,
Numa complacente espera sem sentido.
Estaria o sino chorando,
Ou fazendo uma prece?

Sônia Schmorantz



Imagens de inverno no sul da ilha - Pantano

10 comentários:

SolBarreto disse...

Que poema lindo!
Amei

tossan® disse...

Sim o tempo está feio, mas o lugar é muito lindo! Os sinos tocam pelas 3 coisas: chora, faz prece e badala pela beleza da tua poesia. Beijo

Vieira Calado disse...

E nós, aqui,

cheios de calor!

Agosto!


Bjsss

Baby disse...

É um Domingo frio de Agosto, e um vento sopra na ilha...mas é um vento gostoso, carregado de poesia que vai semeando na beleza da paisagem.
Obrigada pela visita e pelas palavras.

Ulisses Reis ® disse...

Vim deixar um grande desejo que tua semana seja maravilhosa e feliz, beijo !!!

Eloah disse...

Belo poema ,mas as fotos são divinas.Tua alma de poeta sabe valorizar os encantos desta ilha feiticeira.Parabéns!Gostaria de enviar umas cópias via e-mail das tuas fotos para um blogueiro meu amigo de Portugal para mostrar as belezas de minha terra ( nossa).Claro que com os devidos créditos.Posso? Fique a vontade para responder.Só o farei se me permitires.Um forte abraço.Eloah

Rosani Nauar disse...

Querida Amiga Sônia!

Que belo poema, através de suas palavras, viajo na sua ilha encantada, mesmo no frio com as nuvens carregadas. Sua ilha cheia de encanto e magia minha doce amiga poetisa.

bjos, Rosani

Victor Gil disse...

Querida amiga.

"No ar sombrio da tarde
O toque do sino é melodia,
Enquanto a chuva fina
É uma pálida cortina."

Como é? Porque é que essa poetisa anda escondida e não aparece mais vezes. Já uma vez disse que gostava da tua maneira de escrever. Repito o que disse e estou a ser sincero.
É sempre um prazer vir aqui ao teu espaço.
Meu beijo e meu carinho de sempre.
Victor Gil

Sotnas disse...

Olá Sônia, desejo que tudo permaneça bem contigo!

Com estas tuas belíssimas imagens e este teu belo poema, escrito com toda a sensibilidade que lhe habita, me faz imaginar de maneira à quase sentir este vento frio que sopra na tua ilha embalado pelo compassado badalar do sino. Perfeita a elaboração destes versos repletos de sentimentos!

E agradecido por tuas visitas e comentários desejo a você e todos ao redor intenso e feliz viver, abraços e até mais!

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Sonia!

Nuvens e pensamentos à deriva,num dia feio e frio, levados pelo tocar do sino;que certamente não apenas chorava, mas uma prece também fazia.

Linda poesia; parabéns!
Abraço amigo.
Vitor

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.