.

.

06 agosto 2011

Numa folha do diário



Há sonhos antigos
que habitam meu outro lado
como se a alma de porta aberta
fosse uma casa abandonada
por fantasmas de ancestrais...
... sempre me deixam rosas
desaparecidas entre o legado
dos escombros... 

... como se meu coração fosse
aquele velho salão das armas
de um barão que não se sabe
se morreu daquela obscura
sensação de peso do crepúsculo
nos ombros.

Mas chego sempre ao final da rua
(ou do sonho) e percebo que minha
sombra sempre fica para trás
levando minh’alma só...
...e sempre volto e vejo
que lá está minha alma no jardim
com seu infinito olhar de rosas
debruçado na janela da alvorada... 

Compreendo então que somos
dois para apenas um sonho só
ou dois sonhos para min’alma só.
Um de mim apenas ressonha
os sonhos que o outro sonha
– como o vento e o pó...


Julis Calderón


Sambaqui, Florianópolis, SC

8 comentários:

Lídia Borges disse...

"Como o vento ou o pó"
Somos todos em busca dos sonhos, sempre um pouco além, nos caminhos que percorremos.

L.B.

Eloah disse...

Lindíssimo o poema! Amei e amei tuas fotos.Estas de Sambaqui estão divinas.Faz jus a beleza do local.Boa tarde de domingo.Um pouco nublada, mas nada que empane a beleza da nossa ilha.Forte abraço Eloah

in natura disse...

Olá amiga Sônia, fiquei sabendo que vc fez aniversário, parabéns atrasados. Belas fotos! Beijus com muitas felicidades!

Sonhadora disse...

Minha querida

Passando para ler mais um belo poema e deixar um beijinho com carinho.

Sonhadora

MARILENE disse...

Suas fotos são sempre lindas. A sensibilidade do poema é encantadora. Dois com o mesmo sonho ou um a sonhar por dois.
Vou conhecer o blog que indicou.
Bjs.

Malu disse...

Sôninha, minha querida,
Hoje estou passando apenas para lhe fazer um convite.
Estou falando do www.superlinks.blog.br que é um site agregador que vale a pena visitar, pois é mais um espaço no qual você poderá publicar seus links de matérias, pois é um site sério e com critérios bem positivos.
Espero que goste da dica.
Um grande abraço

Luís Coelho disse...

Os sonhos que nos dividem em pó querendo ser jardim ou sombra do infinito....

Solange Maia disse...

As fotografias estão cada dia mais maravilhosas Sônia... e as palavras lindas de amor...lê-las foi um deleite....

carinho enorme, viu ?

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.