.

.

12 dezembro 2011

A tarde...


A tarde é tão serena que parece
vir do hálito que sobe do teu sono.
Vejo-te ir nas nuvens do abandono,
comovido de calma. A tarde desce
ao longe, sobre o mar. Mas lenta e leve,
como a exala o sonho desse sono.
E tudo, enfim, é o sopro do abandono
e o seu sussurrar na mão que escreve.

Dormes como num vôo. Como se fosse
quando o tempo era jovem. E então me sinto
pleno de mar e luz e céu — e sou
claro e soberbo por estar absorto
no abandono desse pó de estrelas
que se juntou para inventar teu corpo


Ruy Espinheira Filho


Imagens da Barra da Lagoa

3 comentários:

Eloah disse...

Que poesia perfeita para acompanhar estas fotos lindíssimas de um lugar perfeito! Barra da Lagoa vestida de sol irradia sua beleza impar e nos encanta como sempre.
Parabéns Sonia por captar esta beleza com tanta sensibilidade!
Bjs Eloah

Graça Pereira disse...

Música de Natal...a lembrar neve e frio! Imagens encantadoras a recordar o verão e um poema que faz a ligação de tudo isto!
Maravilha!
Bjs.
Graça

sam rock disse...

Me doy una vuelta por tu isla, Sonia, y sigo sorprendiéndome de su belleza natural. Enhorabuena por ese paraíso.

Un abrazo

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.