.

.

28 outubro 2012

Diário



Ninguém te viu chorando
...naquele quarto.
Á espera daquele amor perdido.

Ninguém pôde saber
(com olhos humanos)
Das paredes os teus gemidos
Dos teus sonhos o teu pedido.

Ninguém,
Além do teu diário antigo.

Somente o destino.
-Este travesso menino.
Trouxe-me agora a tua tristeza,
Teu sonho escondido.

Por saber da menina,
A vida em seu soluço sentido
E o amor em seus vestidos floridos
-me deixa triste em pensar:

Que trancaste a porta
para chorar por mim
se todo o tempo
eu chorava por ti.


Marcos tavares de souza



6 comentários:

✿ chica disse...

Sempre lindo!beijos,ótima semana,chica

Graça Pereira disse...

Quando no desencontro...o coração sofre!!
Beijo e uma semana feliz.
Graça

Sotnas disse...

Olá Sônia, e que tudo esteja bem contigo!

Belo e sentido poema por você postado, e entre tão belíssimas imagens.

Quando os sentimentos se desencontram, separados fazem doer os corações apaixonados, e assim quantas lágrimas anônimas derramadas!

Prazeroso estar por cá sempre, obrigado por compartilhar sempre intensos pensamentos escritos, belas imagens, pelas visitas e amizade. Assim deixo meu desejo que tenha em teu viver a intensa felicidade, um enorme abraço e até mais!

LOURO disse...

Um belo poema sentido,com duas lindas fotos...Gostei!!!

Beijinhos de carinho e amizade,
Lourenço

:.tossan® disse...

Ah, a primeira foto é fantástica! o poema também. Beijo

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Sônia
Lindo!!!
Quem já não chorou no quarto fechado???
Bjs de paz e bem

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.