.

.

14 junho 2013

Sei...


Sei da efemeridade
como sei de um todo
vazio de futuros;
se um dia sair daqui
sem me despedir,

crê que não tive tempo
e lembra-te que
- mesmo assim -
levo-te para lá
com as minhas palavras.
Por detrás das esperas
fica-me tudo por dizer.



Paula Raposo


4 comentários:

Ricardo/águia_livre disse...

Imagens e poema,lindíssimos

Imaginação fértil de uma beleza ímpar.

Bom Fim de semana

Eduardo Aleixo disse...

Vim aqui para retribuir a tua visita e deparei com um lindo poema da Paula.
Beijos às duas.
Regressei com mais assiduidade aos blogues.
O Face Book agrada-me menos do que antes.

Rosa Mattos disse...

Maravilhoso!

Adorei seu blog Sonia. Dá vontade de ficar por aqui, apreciando a natureza. Lindo, lindo!!

bjs♥

Rosa Mattos
http://contosdarosa.blogspot.com

Sotnas disse...

Olá Sônia, e que tudo esteja bem!

Não é sempre, e não por nosso próprio querer algumas vezes deixamos muito por dizer, mas, aos que por cá ficam o criador sempre oferta o conforto e a compreensão!
Assim como cá neste teu encantador espaço, sempre tão reconfortante com belíssimas imagens e primorosos escritos tão bem escolhidos com o teu excelente bom gosto, parabéns!
E eu grato por tua amizade e generosas visitas por lá eu desejo que teu viver seja sempre tão intenso e deveras feliz, grande abraço e, até mais!

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.