.

.

27 junho 2015

Para isso fomos feitos...


Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.

Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.

Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos: 
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Vinícius de Moraes.



6 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Bom dia
Hoje encontrei o teu espaço sempre cheio de cor e beleza.
Aqui encontramos o melhor que se fez em poesia.
Este poema é um tema para meditar na suavidade dos nossos dias.
Tudo passa e nada fica.
Dentro de nós existem apenas as sementes de renovação.

Cidália Ferreira disse...

Bom dia
Parabéns pelo soberbo poema que nos apresenta. Ameo

Gosto muito da fofo do cabeçalho. é Linda!!

Beijos
Bom Domingo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Rosemildo Sales Furtado disse...

Oi Sonia! Passando para te cumprimentar e apreciar este belo poema do grande Vinícius de Moraes. Ótima escolha! Parabéns!

Abraços e um ótimo domingo para ti e para os teus.

Furtado.

Sotnas disse...

Olá Sônia, e que tudo esteja bem contigo!

Belíssima escolha para compartilhar com os amigos, Vinícius de Moraes, o que dizer além de agradecer, também pelas lindas imagens embelezam o cenário do belo poema!

Assim me vou deixando também meu desejo para que seja você e os teus deveras abençoados pelo criador e que seja deveras intenso o teu viver, abraços e, até mais!

Eduardo Aleixo disse...

Fomos feitos para viver a vida.
Bjinho

Pedra do Sertão disse...

Olá, Sônia,

Estava com saudades de suas imagens lindas e amo borboletas...e tudo isso com Vinícius de Moraes fica bom demais!!!

Grande abraço,

Araceli

Apareça no Pedra também...

www.pedradosertao.blogspot.com.br

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.