.

.

13 janeiro 2016

Bom mesmo...


Bom mesmo é deixar-se ser rio. 
Correr de forma transparente nossas crenças, 
abençoando a cada dia amanhecido nossa sorte, 
agradecendo a fluidez da vida, 
mergulhando nossas atitudes com cuidado, 
no raso, na margem e depois disso jogar-se 
em águas profundas sem temer o curso da historia. 
Não afunda quem aponta pra fé e rema. 
Virar oceano é o primeiro passo para o rio que beija o mar.

Lilian Vereza.




Um comentário:

Sotnas disse...

Belo e intenso poema prezada Sônia, cá compartilhado, agradecido, e também pelo belíssimo espaço recheado de belíssimas imagens. E por sempre por lá deixar tuas sensíveis palavras. Assim desejo que tenha você e todos ao redor um viver deveras abençoado, abraços e até mais!

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.