.

.

04 fevereiro 2016

Ninguém tem culpa




Ninguém tem culpa
Daquilo que não fomos!
Não houve erros,
Nem cálculos falhados
Sobre a estepe de papel.
Apenas,
Não somos os calculistas
Porém os calculados,
Não somos os desenhistas
Mas os desenhados,
E muito menos escrevemos versos
E sim somos escritos.
Ninguém é culpado de nada
Neste estranhar constante.
Ao longe, uma chuva fina
Molha aquilo que não fomos.



Paulo Bomfim.


2 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Poema soberbo! Com fotos divinas.

Beijo. Bom fim de semana.

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Sotnas disse...

Difícil é alguns entender esse processo deveras natural, e por este motivo, pela falta de, ao menos compreensão sofremos consequências, mas, assim seguimos vivendo, ainda sob a direção do criador. Bela postagem, poema e imagens, assim como sempre compartilha por cá, grato. Boa e abençoada tarde pra todos, abraços!

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.