.

.

20 janeiro 2009


Entre o luar e a praia
tua medida exata

e em meu céu desmaia
outra ilusão de prata;

sempre o amor me atraia
no azul da serenata:

-serás a antiga praia,
serei o luar de prata.


Colombo de Sousa

12 comentários:

Arantza G. disse...

Corto y bonito poema.
Abrazos

Gilbamar disse...

Um belo jogo de palavras formando esse lindo poema que encanta.

Fraternal abraço do amigo Gilbamar.

Peregrina disse...

Adorei a foto :D

O mar me encanta completamente... disse...

Admiro a destrza com que brinca com as palavras que se encaixam de forma harmoniosa Soninha.
Lindo!!!

Meu carinho.

Frederico Salvo disse...

Sob o luar e em ótima companhia. Ingredientes perfeitos para tornar um momento a dois inesquecível.
Gostei bastante, Sônia.
Um beijo!

Marta Vasil disse...

Colombo de Sousa. Primeira vez que leio.E gostei.

Beijinho de prata

MV

Cadinho RoCo disse...

Gracioso emaranhado de palavras a culminarem no encontro com a amada.
Cadinho RoCo

Mar Arável disse...

O amor não tem fronteiras

nem luas

Celamar Maione disse...

Linda a foto !
Dá para viajar
sem sair do lugar.
O poema é encantador.
Beijão

Diogo Caceres disse...

Oi Neide, tudo bem??
Valeu por estar acompanhando meu blog... estarei acompanhando o seu tb!!
Lindo seu blog e linda postagem... é bom qdo podemos vivenciar sentimentos sem medo, aprendendo a ouvi-los e entendelos!! Maravilha maior é sempre expressa-los como no seu cantinho!! Parabens!!
Sua noite seja de muita paz, abraço!!!!

Maria Madalena disse...

Que bom que você encontrou Colombo de Sousa, estou fazendo um trabalho de recuperação de sua imagem poética, já há tempo esquecida pelos brasileiros, maravilhoso poeta que nasceu, viveu e faleceu no Paraná, terra de seu coração!
Lindíssimo seu blogger, parabéns!
Voltarei sempre para visitar-lhe.

Primero Guillón disse...

Que belleza. Me encantó tu blog. Un cordial saludo desde Argentina. Wilfredo

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.