.

.

28 janeiro 2009


Quando uma nuvem nômade destila
gotas, roçando a crista azul da serra,
umas brincam na relva; outras, tranqüila,
serenamente entranham-se na terra.

E a gente fala da gotinha que erra
de folha em folha e, trêmula, cintila,
mas nem se lembra da que o solo encerra,
da que ficou no coração da argila!

Quanta gente, que zomba do desgosto
mudo, da angústia que não molha o rosto
e que não tomba, em gotas, pelo chão,

havia de chorar, se adivinhasse
que há lágrimas que correm pela face
e outras que rolam pelo coração!

Guilherme de Almeida

2 comentários:

Frederico Salvo disse...

Sônia... Sempre nos presenteando com belos poemas. Com esse soneto não foi diferente.
Com muito carinho e satisfação repasso a ti o selo "Sobrevivente do Romantismo", em reconhecimento ao teu talento e sensibilidade.
Dê uma passada no meu blog para ter acesso ao selo.
Um abraço!

Codinome Beija-Flor disse...

ue delícia ler "Guilherme de Almeida".
Bom saber que não foi esquecido.
Bjos

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.