.

.

17 janeiro 2009


A tarde é tão serena que parece
vir do hálito que sobe do teu sono.
Vejo-te ir nas nuvens do abandono,
comovido de calma. A tarde desce

ao longe, sobre o mar. Mas lenta e leve,
como a exala o sonho desse sono.
E tudo, enfim, é o sopro do abandono
e o seu sussurrar na mão que escreve.

Dormes como num vôo. Como se fosse
quando o tempo era jovem. E então me sinto
pleno de mar e luz e céu — e sou

claro e soberbo por estar absorto
no abandono desse pó de estrelas
que se juntou para inventar teu corpo

RUY ESPINHEIRA FILHO
Poetas Brasileiros
Imagem: Praiaa do Moçambique - Florianópolis

13 comentários:

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Lindo meu amor.
Beijos te amo

tossan disse...

Gosto muito do seu blog.

Tu podes até dizer
que não entendestes
o que te disse,
mas nunca poderás
dizer que não entendestes
o modo como te olhei...

Beijos

Vieira Calado disse...

OLá, amiga!

Aqui são mesmo quase 4 da matina.

Por isso passei para desejar bom dia, amanhã!...

Bjs

Arantza G. disse...

Muy bonito.
Gracias por tu vista, encantada.
Un beso.

rouxinol de Bernardim disse...

A praia é linda e o poema do Ruy assenta que nem uma luva!

Tatiana disse...

Tudo muito lindo e em perfeita sintonia.
Obrigada por sua passagem no blog com uma bela poesia.

Estar aqui é sempre muito bom!

Beijos com meu carinho

* Patty Meirelles * disse...

Obrigada pelo carinho de sua visita.
Tem selinho pra vc lá no blog.
Boa semana!
Bjsss

Frederico Salvo disse...

Como sempre mais um belo poema trazes para nosso contentamento.
Por ser sempre assim é que passo a você o prêmio Dardos como reconhecimento de minha parte ao conteúdo desse excelente blog.
Entre no meu blog para ver detalhes sobre o prêmio.
Um grande abraço!

Adrisol disse...

hola sonia!!!!!

te ví como seguidora de mi blog y decidí conocer el tuyo........
me encantó por la armonía, el color, las imágenes, los textos y la música!!!!!!!!!
si puedes, me gustaría que pongas un traductor de idiomas, así es más fácil para los que no hablamos el tuyo..............

mil gracias por hacerme conocer tus maravillas naturales!!!!!

un abrazo y deseo que entres en mi espacio y dejes tu huella, de esa manera podemos construir una linda amistad.......

Daniel Costa disse...

Sonia

Absorvi também a tranquilidade inspirada no interessante pena«smento de Ruy Espinheira Filho.
Parabéns por o teres postado.
Daniel

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA SONIA, LINDO SONETO E BELA FOTO... ADOREI AMIGA!!!
UM GRANDE ABRAÇO DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Lígia Rosso disse...

Querida Sônia...fico sem palavras para descrever a emoção que é abrir teu blog, praticamente todos os dias, e me deparar com tamanha beleza e sensibilidade. No lugar dos meus sonhos, tem mar, pedras, gaivotas voando e uma leve brisa no ar...como moro muito longe de tudo isso, tenho duas oportunidades de me transportar para esse lugar ideal: quando fecho os olhos e sonho, e, desde que encontrei você (embora virtualmente), quando acesso teu blog e ouço essa música, viajo nas fotos e me emociono com a poesia. Obrigado Sônia por proporcionar tamanha felicidade pra mim e sei que para muitos outros também. Um beijo e um forte abraço. Deus te ilumine sempre!

poetaeusou . . . disse...

*
é tão tarde que tudo é já distância,
que só respiro este luar que me arde,
este sopro sem praias do teu nome,
esta pedra em que pulsa e medra a ânsia
e esta aura, enfim, em que me envolve (é tarde!)
o que és — presente, ausente — e me consome
,
in-ruy espinheira filho
,
conchinhas narinhas, deixo,
,
*

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.