.

.

07 julho 2009

IDÍLIO


Como eu preciso de campo,
de folhas, brisas, vertentes,
encosto-me a ti, que és árvore,
de onde vão caindo flores
sobre os meus olhos dormentes.

Encosto-me a ti, que és margem
de uma areia de silêncios
que acompanha pelo tempo
verdes rios transparentes;
tua sombra, nos meus braços,
tua frescura, em meus dentes.

Nasce a lua nos meus olhos,
passa pela minha vida...
- e, tudo que era, resvala
para calmos ocidentes.
Caminhos de ar vão levando
pura e nua essa que andava
com as roupas mais diferentes.

Olham pássaros, das nuvens,
entre a luz dos mundos firmes
e a das estrelas cadentes.
E o orvalho da sua música
vai recobrindo o meu rosto
com um tremor que eu conhecia
nos meus olhos já levados,
idos, perdidos, ausentes...
(Leve máscara de pérolas
na minha face não sentes?)


Cecília Meireles
in Vaga Música
Imagem:http://www.flickr.com
Imagem 2: Garça na Lagoa, por Eduardo Poisl

8 comentários:

SOCCER FANATIC disse...

Great blog with nice pictures.

For more links to technology, pls visit www.yasthirah.com

For more links to tourism, pls visit www.yastini.com

For more info on soccer, pls visit http://www.aptconnections.blogspot.com/

HAPPY BLOGGING!

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Mais um belo poema com uma imagem linda.
Beijos te amo.

O mar me encanta completamente... disse...

Este poema é suave,
leve, gostoso e de
grandioso talento.
Parabens pela escolha.

Beijinho

Adolfo Payés disse...

Muy bello poema..

Saludos fraternos
Con el cariño de siempre

Un abrazo
Besos

Victor Gil disse...

Olá Sonia.
Poema lindo, suave, onde:

Voam pássaros
sobre as areias silenciosas,
as brisas se encostam
às margens do teu mar,
onde as estrelas cadentes,
levam máscaras de pérolas
e vestem roupas diferentes.

Um beijo pela amizade
Victor Gil

Denise disse...

Venho aqui toda vez que preciso encontrar a paz.

sempre lindo

Denise

O Profeta disse...

Mas os golfinhos continuam felizes
A cavalgar ondas de madrepérola
A Lua sorri tristemente e pensa
Haverá alguém mais perverso do que ela?
Haverá?! Há sempre uma deusa perdida
Nos labirintos da contradição
Há sempre alguém que usa a palavra amor
Soprando doce veneno ao coração

Boa semana


Doce beijo

António Gallobar disse...

Uma maravilha de poema, adoro este blog, tenho andado um pouco ausente mas é sempre reconfortante o que aqui vejo, muitos parabens, bj

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.