.

.

01 setembro 2009

Vertigem


Eu sou o que me pede o coração
Na hora que a saudade me desperta
E me deixa sem razão
Desenho o teu rosto na paisagem
Na face escura da cidade
Te contemplo com a mesma paixão
Como se o último beijo
Fosse o primeiro
Como um romance, um cinema
Assisto ao drama impossível
Sem querer me entregar
A vertigem de perder-te
Te foste como as cores
De uma velha aquarela
Deixaste tantas sombras
Samambaias na janela
Que na lembrança ainda me refazem
Me devolvem teu perfume
Se o passado é tão presente
Em cada instante, cada cena
Não é passado
É somente minha vida que estancou
E como louca ouço valsas
Noites, beijos na varanda
Tua voz dizer-me coisas
És um soneto antigo...

Joanna
Composição: Caio Silvio - Graco

21 comentários:

Adolfo Payés disse...

Refrescan el alma tus poemas.. gracias por compartirlos.

Saludos fraternos
Un abrazo

♥ ♥ Eu disse...

Compartilhando emoções neste belo poema de amor, onde a vida segue mas o coração parado nas horas ficaram...

Tuas fotos são lindas, Sonia...vêm carregadinhas de tranquilidade.

Uma noite lindinha prá vc!

bjos!

tossan® disse...

Não me lempbro dessa música, mas a letra é um belo poema! Gosto das imagens. beijo

João MaC Santos disse...

Obrigado Sonia pela visita e retribuo a mesma para vir aqui ler seus poemas e ver as fotografias que são muito belos.
Um beijo e continue

sam rock disse...

Que ese soneto antigo se faga realidade, e teñas moitos momentos de "beijos na varanda" con que os merece.

Unha forte aperta

Kotta disse...

Visitar o teu blog é uma terapia para mim, pela tranquilidade que transmitem as tuas fotos amiga. Feliz dia Bjo.

Dora Regina disse...

Obrigada por estar sempre prsente comentando em meu Blog, tudo aqui é belíssimo, sempre é.
Um grande abraço com desejos de um lindo dia.

a magia da noite disse...

o passado tem recordações que gostamos de lembrar.

Andresa disse...

Belo esse poema amiga, que acalenta nosso coração

Um grande beijo
Andresa Araujo

Vivian disse...

...Sonia querida,
há tempos que eu não passeava
por aqui a respirar tuas poesias.

sempre lindas de viver!

bjbj, querida linda!

Everson Russo disse...

Muito sentimento e muita alma no poema, aquela saudadezinha, aquela alegria e beleza...beijos querida e uma linda tarde pra ti.

mundo azul disse...

____________________________________


Belas letras! Obrigada por compartilhar, Sonia...

Suas fotos são lindas!



Beijos de luz e o meu carinho...


________________________________

Mundo Animal. disse...

::: (\\_(\\
*: (=“ :“) :*
•.. (,(““)(““)¤°.¸¸.•´¯`» COMO SIEMPRE BELLO SONIA, GRACIAS POR ESTAR EN MUNDO ANIMAL.

Olivier Franconetti Benamor disse...

vale!...

"para mi yerto corazón herido"

Olivier Franconetti Benamor disse...

vale!...

"para mi yerto corazón herido"

Antonio Paulo disse...

" Eu sou o que me pede o coração" Precisa dizer mais?
Sonia amiga um abraço grato por suas visitas ao Vivendo em Versos.

Cadinho RoCo disse...

Quando nos permitimos...
Cadinho RoCo

Paula Raposo disse...

Gostei. Se soubesse, também desenharia. Assim, resta a saudade...beijos.

Sandra disse...

Vim agradecer a sua visita no blog.
Sempre é bom ter pessoas maravilhosas nos visitando, sempre.
Pessoas assim, temos que ter sempre do nosso lado.
Sandra

Graça Pereira disse...

Este cantinho, continua lindo, poético e convidativo, por isso, volto sempre .Um beijo Graça

Alma de Poeta disse...

Fui agraciada com um SELO DE OURO, o qual me incumbe de distinguir alguns dos blogs que mais aprecio, daí a escolha ter recaído no teu blog.


Se tal pretenderes, deves passar pelo meu blog para ir buscar o selo e também deves nomear até 15 blogs, ao quais, deverão nomear outros tantos se assim o entenderem,

Para ti deixo um beijinho, desejando que continues fazendo deste teu blog um lugar muito aprazível de se visitar.

Isabel “Alma de Poeta “

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.