.

.

27 outubro 2009

Predileção



Amo os gestos estáticos, plasmados
numa atitude lenta de abandono;
certos olhares bêbedos de sono
e a poesia dos muros desbotados...

Amo as nuvens longínquas... o reflexo
na água dos foscos lampiões...as pontes...
a sufocação ríspida das fontes
e as palavras poéticas sem nexo.

Mas, sobretudo, eu amo esses instantes
em que, como dois presos foragidos,
os meus olhos se embrenham, distraídos,
na natureza - como dois amantes...

Onestaldo de Pennafort



Sou transparente,
Tanto quanto me permite a vida.
Mas a transparência não esta em mim,
E sim nos olhos que me desnudam.
Sou pedra bruta,
Teu olhar é que me lapida.
Por isso transparência depende,
De que lado você se encontra do sol.

Santaroza

18 comentários:

Nanda Assis disse...

que céu!
que mar!
que poema!

bjosss...

Wanderley Elian Lima disse...

Você sempre brilha pela combinação, poemas e fotos. Parabéns.
Um abraço

Adolfo Payés disse...

El mar nos acaricia el alma con tus fotos..

Hermoso poema como siempre..

Un abrazo
Saludos fraternos...

louca esquizoffrenica disse...

tudo depende dos olhos com que olhamos e com que nos querem olhar, um lindo dia beijos desde este lado do oceano

Xana disse...

Sempre me delicio com as tuas fotos, e a serenidade e paixão dos poemas que escolhes :)

beijinhos e uma otima 4ª feira

Meg disse...

Sonia,

O mar e a Poesia sempre se completaram... mas aqui também a música embeleza os poemas.

Um beijo

FOTOS-SUSY disse...

OLA SONIA, MAGNIFICAS FOTOS...OS POEMAS SAO BELISSIMOS...UMA LINDA ESCOLHA...VOTOS DE UM OPTIMO DIA!!!
BEIJOS DE AMIZADE,


SUSY

sam rock disse...

Eu também amo as nuvens longínquas e esses instantes em que, como dois presos foragidos, os meus olhos se embrenham, distraídos, na natureza. Também e aprecio a essas pessoas que querem as coisas pela sua beleza e não pelo seu valor económico.

um beijo

M@ria disse...

Sou pedra bruta,
Teu olhar é que me lapida.
Por isso transparência depende,
De que lado você se encontra do sol.


Santarosa.........maravilhosoooooo

Beijos na almaaaaaaaa

Bandys disse...

Sou pedra bruta,
Teu olhar é que me lapida.
Por isso transparência depende,
De que lado você se encontra do sol.


Lindo! E as imagens divinas!

Beijos

RETIRO do ÉDEN disse...

«Sou transparente,
Tanto quanto me permite a vida.
Mas a transparência não esta em mim,
E sim nos olhos que me desnudam.
Sou pedra bruta,
Teu olhar é que me lapida.
Por isso transparência depende,
De que lado você se encontra do sol.»

Que bela escolha de palavras.
As fotos como sempre são uma tela do Senhor que com a tua sensibilidade consegues captar e partilhar connosco.

Bem-hajas
Bjs.
Mer

Lira Santos disse...

  ***  ***   ***  ***
  ***     *  *     *** ☆“““““♡ VOCÊ
 ***       *       ***
 ***               ***
 ***               ***
  ***             *** ☆““““““““““♡ É
   ***           ***
    ***         ***
      ***      ***
        ***  *** ☆““““““““““♡ MUITO
           ***
            * ☆“““““♡ ESPECIAL

MEUS PENSAMENTOS disse...

O OLHAR DE ALGUEM A LAPIDER É MARAVILHOSO BJS SONIA!

Dora Regina disse...

Que foto mais linda! As poesias? Sem comentários...
Grande abraço!

Zilda Santiago disse...

Lindos poemas e as fotos me enchem de saudades de tanta beleza...Bjssssssss.

RosanAzul disse...

BOA NOITE SONIA! COMO VAI??
TEU BLOG ESTÁ LINDO! PARABÉNS!SENTI
SAUDADES DOS INGLESES... MORAVA AÍ...
BEIJO AZUL!
RO

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá amiga! Passei para te desejar muita paz, saúde e felicidades, bem como, dizer que gostei muito da predileção de Onestaldo, como da transparência de Santaroza. Ambas ilustradas com belíssimas paisagens.

Linda escolha. Parabéns!

Abraços para todos e uma ótima quinta feira.

Furtado.

rouxinol de Bernardim disse...

Sonia:

Sabe bem vir aqui e saborear esta poesia seleccionada com critério, ver estas paisagens soberbas... enfim respirar o ar puro...

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.