.

.

28 outubro 2009

Ventos Poéticos


Sou o pó
E vou no vento
Através de rios
E montes
Vou no vento
E talvez eu pouse
Talvez encontre
O mel as areias
Do teu corpo
Trazidas pelo vento

Antonio Ramos Rosa


Talvez o vento saiba dos meus passos,
das sendas que os meus pés já não abordam,
das ondas cujas cristas não transbordam
senão o sal que escorre dos meus braços.
As sereias que ouvi não mais acordam
à cálida pressão dos meus abraços,
e o que a infância teceu entre sargaços
as agulhas do tempo já não bordam.
Só vejo sobre a areia vagos traços
de tudo o que meus olhos mal recordam
e os dentes, por inúteis, não concordam
sequer em mastigar como bagaços.
Talvez se lembre o vento desses laços
que a dura mão de Deus fez em pedaços.

Ivan Junqueira


Eu caminhava entre árvores
E espremia nos dedos
O mudo cipreste, roçando
um acridoce olfato
Ao silêncio de meu nariz.
Ali entre cúmplices imagens,
Onde o vento me sabe
E o sem- fundo do lago me diz,
No frescor do mais contido sumo,
Cheirei a poesia, assim do nada,
E caminhei sobre as águas,
O naufrágio por um triz.

Fernando Campanella

8 comentários:

Marina Nunes Brito... disse...

Sônia obrigada, por passar no meu cantinho!
Deixar seu comentário!
O mais importante! foi você sua presença!
Fiquei muito feliz!
Aqui, a natureza se faz poesias!
Que encanta aos olhos, e relaxa a mente!
Um abraço, obrigada beijos
Marina Nunes

direitinho disse...

O poema de Ivan Junqueira é uma pérola musical das mais bonitas que já li.
Obrigado por me dar a oportunidade de relembrar estas maravilhas.
Mais me custa aceitar:
... os laços do vento que a dura mão se Deus fez em pedaços....
A melhor imagem:
...as agulhas do tempo já não bordam...

Gabi disse...

Belíssimo poema, como sempre uma óptima escolha. Sónia, aproveito para convidá-la a conhecer o meu novo blogue: bipolaridades. Um grande beijinho.

Isa disse...

Sônia,que bem ficou este post!Intercalando as palavras com as belíssimas fotos.
Gostei.
Beijo.
isa.

Victor Gil disse...

Amiga Sônia.
Chama-se a isso três rajadas de ventos poéticos. Depois com fotos destas, quem resiste. Até sinto o cheiro do mar dessa tua ilha maravilhosa.
Beijos minha boa amiga.
Victor Gil

louca esquizoffrenica disse...

Sou o pó
E vou no vento
Através de rios
E montes
Vou no vento
E talvez eu pouse
Talvez encontre
O mel as areias
Do teu corpo
Trazidas pelo vento

Esse poema de António Ramos Rosa é uma pérola, como sempre é um prazer ler o que postas, assim como as tuas palavras no lado do teu blog, esta tua ilha encanta-me cada vez mais. beijos desde o outro lado do oceano.

Ele disse...

Acho que se eu morasse num lugar como esse eu não faria mais nada na minha vida. :)

Lu disse...

a ilha bela* me desse ter uma ilha assim*
com uma paisagem exuberante assim
com um ceú azul assim
com um vento poético assim
ah! eu cantava* eu assobiava* eu viajar nos meus pensamentos* eu simplesmente amava

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.