.

.

01 novembro 2009

PASSEMOS, TU E EU, DEVAGARINHO



Passemos, tu e eu, devagarinho,
Sem ruído, sem quase movimento,
Tão mansos que a poeira do caminho
A pisemos sem dor e sem tormento.

Que os nossos corações, num torvelinho
De folhas arrastadas pelo vento,
Saibam beber o precioso vinho,
A rara embriaguez deste momento.

E se a tarde vier, deixá-la vir...
E se a noite quiser, pode cobrir
Triunfalmente o céu de nuvens calmas...

De costas para o sol, então veremos
Fundir-se as duas sombras que tivemos
Numa só sombra, como as nossas almas.

Reinaldo Ferreira




Imagens de domingo em Itapema - SC

17 comentários:

REGGINA MOON disse...

Sônia,

Que lindooo!!!!E no final,o poema encerra-se mesmo com a tal "chave de ouro"...belíssimo, romântico e forte.

Ótima escolha!!

Grande beijo e boa semana!

Reggina Moon

direitinho disse...

Traz-nos sempre temas e poemas de grande qualidade.
Ainda que não lhe deixe um comentário sigo sempre mais cheio de nobreza após cada leitura.
Muitos dias vou ainda procurar poemas já lidos e relidos porque parecem trazer-nos sempre uma nova mensagem.
Muitos beijinhos no desejo de que continue nos oferecendo tantas preciosidades.

louca esquizoffrenica disse...

Sónia:
De costas para o sol, então veremos
Fundir-se as duas sombras que tivemos
Numa só sombra, como as nossas almas.

espero todos os dias por uma união de paz e solidariedade. Hoje soube especialmente bem vir aqui à sua ilha, pelas palavras, pelas imagens e pelo som. Beijo enorme desde o outro lado do oceano.

Déia disse...

Soninha,

Adoreiiiii!! Que lindo imaginar o fim de tarde, as sombras... vc sempre arrasa!!

Hoje falo sobre mulheres no blog q fui convidada!

Adoraria q vc passasse por lá!

bjs

http://aceuabertodaboca.blogspot.com/

Gabi disse...

Uma delícia, como sempre. Sónia, no Bipolaridades tenho um presente para si, passe lá para retirá-lo. Um beijinho muito especial.

Isaac Melo disse...

Olá querida Sônia,

teu blog parece um sonho.
Muito bonito!

Abraços!

Branca disse...

Como sempre, suas escolhas são perfeitas! E nesse lugar paradisíaco é pra se passear bem devagarinho mesmo, aproveitando cada segundo ao lado de quem amamos.


Beijo Sônia e uma semana de muita paz pra vc!

Sereia disse...

Lindo poema amiga de muito bom gosto.
Um beijo grande.

momo disse...

hoy vengo emocionada a darte un abrazo desde mi orilla , un poco abandonada.

a magia da noite disse...

pode vir a ternura e levar os amantes que no silêncio, quase inocentes, continuaram caminhando nessa paixão.

R.Ferrari disse...

Grandes fotos. Itapema é muito linda.

Graça Pereira disse...

..."Veremos
fundir-se as duas sombras que tivemos
Numa só sombra como as nossas almas."

Afinal, não é isso que todos os amados querem? Serem um só??
E nessa praia tão linda e convidativa
as sombras, se tornarão uma só.
Um beijo e uma semana cheia de sol.
Graça

Dora Regina disse...

Poema...assim como a tua alma linda!...
Um grande abraço!!

Chris disse...

Belíssimo o poema e as fotos do tempo de praia que se esquiva do lado de cá do Atlântico.
Um beijo e boa semana
Chris

Vitor Chuva disse...

Olá Sonia!

Forma linda de descrever um bonito e precioso momento a dois!

Um abraço; boa semana.

Vitor Chuva

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Sonia, que bela foto, quanto azul, que imagem linda vc traz sempre pro meu coração.
Tenha uma boa semana.

Sônia Silvino disse...

Oi, Xará!!!
Gosto muito de visitar o seu blog, pois tudo é de muito bom gosto. Até a música é linda e gostosa de ouvir. Relaxante! Bjkas!!! Sônia Silvino

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.